Tite se irrita com perguntas após derrota e avalia que o empate seria mais justo

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Técnico do Corinthians não gostou de ter que dar explicações sobre as substituições que fez no revés diante do Grêmio, em Porto Alegre

O meia Rodriguinho, o volante Ibson e Jocinei, volante que entrou na lateral esquerda, foram as alternativas de Tite quando o Corinthians estava atrás no placar em Porto Alegre. Ao fim da derrota por 1 a 0 para o Grêmio, o técnico se irritou com uma insinuação de que as alterações foram defensivas.

Confira classificação, notícias, tabela de jogos e artilharia do Brasileirão

"Tu não conheces a característica do Jocinei. Ele entrou na esquerda, com liberdade para sair porque tem o chute de média distância. Tu tens que saber para fazer a pergunta. Caso contrário, fica ruim para ti. O Guilherme sentiu o ritmo, entrou o Ibson, que carrega a bola, jogava com liberdade no Flamengo. Coloquei outro meia para ter outro de articulação com o Douglas. É preciso conhecer as características", afirmou.

André Antunes/Futura Press
Corinthians perdeu do Grêmio no Sul

O gaúcho, que deu essa resposta ao repórter conterrâneo sem levantar o tom de voz, procurou mostrar que a frase mais dura não foi um sinal de descontrole. "Vocês nuna me viram perder o discernimento em relação às coisas. Responder mais forte é do conhecimento, do embate.

"A entrada de meio-campistas com a presença de Paulo Victor e Douglas Tanque no banco foi um dos motivos das críticas recebidas pelo treinador. Segundo ele, a presença de garotos em campo em outros momentos, como a má atuação de Paulo Victor contra o Atlético-PR, mostra por que eles não entraram no Sul.

"Se fosse uma solução mágica botar os garotos... Coloquei o Paulinho e o Léo em partidas anteriores. É um peso grande, a resposta está aí. Tem de usar atletas que estejam preparados em termos emocionais para isso", justificou o comandante alvinegro.

Empate seria o mais justo

Para Tite, o resultado mais justo em Porto Alegre seria o quarto empate consecutivo do Corinthians. A equipe repetiu a ineficiência ofensiva das três partidas anteriores, mas, diferentemente do que aconteceu nas ocasiões em que ficou no 0 a 0 com Atlético-MG, Atlético-PR e São Paulo, teve a rede balançada. Deu Grêmio, 1 a 0.

Rodrigo Coca/Ag. Corinthians
Tite orienta equipe do Corinthians

"Não vou falar de dados estatísticos de outros jogos. Vou falar sobre o jogo de hoje. Fizemos um belo primeiro tempo, com duas oportunidades reais. Na primeira oportunidade que teve, o Grêmio foi efetivo. Foi um jogo equilibrado, qualquer equipe poderia ter vencido, mas o mais justo foi o empate", afirmou.

As duas chances mencionadas pelo gaúcho foram com Diego Macedo, um chute de fora da área e um de dentro da pequena, por cima. Na ruim etapa final, ainda houve a esperança daquele que seria o 14º empate em 29 jogos no Campeonato Brasileiro em um cabeceio de Emerson.

"Depois do gol, o Grêmio ficou puxando contra-ataque. Tentei com dois armadores e dois homens de velocidade, botei o Jocinei para ter a finalização de média distância, mas foi insuficiente. Ainda assim, tivemos a bola no final do jogo. Ela poderia ter definido mais o que representou o jogo, um jogo igual", acrescentou.

Tite não surpreendeu ao evitar projeções sobre a possibilidade de rebaixamento, risco que pode aumentar em caso de vitória do Vasco na quinta-feira - a distância para a zona da degola cairia para três pontos. "É o próximo jogo. Cabe a mim buscar soluções", concluiu o gaúcho.

Leia tudo sobre: TiteJocineiIbsonRodriguinhoCorinthiansigspbrasileirão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas