Tamanho do texto

Técnico voltou a comandar equipe à beira do campo e celebrou vitória contra o Flamengo

Oswaldo voltou a comandar o Botafogo à beira do campo
Flickr/Botafogo F.R.
Oswaldo voltou a comandar o Botafogo à beira do campo

Oswaldo de Oliveira voltou ao banco de reservas do Botafogo neste domingo, no duelo contra o Flamengo, no Maracanã. Após ter sofrido uma arritma cardíaca que o tirou dos gramados por uma semana, o treinador retornou e foi presenteado com uma vitória por 2 a 1 , que, além de quebrar um jejum de 13 anos sem vitorias sobre o Rubro-Negro em campeonatos brasileiros, recolocou o clube de General Severiano na vice-liderança da competição nacional.

Veja a classificação, tabela de jogos, notícias e artilharia do Campeonato Brasileiro

Após a partida, o treinador relembrou a má fase da equipe na competição (que, entre a 22ª e 26ª rodada, amargou quatro derrotas e um empate) e afirmou que o Botafogo já merecia voltar a emendar uma sequência de vitórias. Com o trinfo deste domingo, já são duas consecutivas e a diminuição da desvantagem para o líder Cruzeiro (que, agora, é de dez pontos).

"Não é previsão, mas é uma constatação. Falamos aqui quando perdemos os jogos seguidos para Cruzeiro, Bahia e Ponte Preta, empate com o Fluminense e a derrota para o Grêmio... Acho que o Botafogo, em todas essas partidas, cometeu falhas, mas se impôs com seu estilo. Errou, mas da forma que nosso time joga, voltaríamos a vencer. Essa era minha expectativa, e estava otimista", afirmou.

Oswaldo ainda revelou que o fato de ver sua equipe jogar bem e não conquistar bons resultados no último mês causou a arritma cardíaca sofrida no duelo contra o Grêmio, há uma semana, no Maracanã. O problema o tirou da rotina do Botafogo por alguns dias e impediu-o, inclusive, de comandar o time no jogo contra o Náutico, na última quarta-feira, em São Lourenço da Mata (Pernambuco).

"O que aconteceu comigo contra o Grêmio foi porque tinha a sensação de que daríamos a volta por cima naquele dia e não ter conseguido me decepcionou muito. Sou muito apaixonado pelo que eu faço. Se não tivesse o coração forte que eu tenho, que não é de atleta, mas de quem faz atividade física, naquele dia teria acontecido algo pior. Às vezes, a carroceria não aguenta. A emoção foi forte demais. Fiquei muito triste por não termos vencido", revelou.

Por fim, o treinador comemorou a volta da ‘ordem natural dos fatos’, que, segundo, ele, fez o Botafogo atingir novamente a vice-liderança do Brasileirão. "Esse encadeamento das coisas, com a volta das vitórias, recoloca o Botafogo na posição que tem tido em toda a temporada. Alguns adversários nos venceram e provavelmente ainda vão nos bater, mas sempre com muita dificuldade, tendo que se desdobrar para conter a nossa equipe", encerrou.