Gobbi cobra punição ao São Paulo e ‘oferece’ emprego a procurador do STJD

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Torcedores são-paulinos brigaram entre eles e com a PM e presidente do Corinthians cobrou de tribunal a mesma punição dada ao seu clube

O presidente do Corinthians, Mário Gobbi, aproveitou a briga entre torcedores organizados do São Paulo e policiais militares, no intervalo do clássico deste domingo, nas arquibancadas do Morumbi, para desabafar contra o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Irritado com as punições sofridas por seu clube, o presidente do Corinthians cobrou o mesmo rigor contra o rival. O Corinthians perdeu quatro mandos de campo por briga de seus torcedores contra vascaínos em Brasília durante partida do Brasileirão em agosto. 

Miguel Schincariol/Gazeta Press
Torcedores do São Paulo enfrentam os policiais na arquibancada do Morumbi

"Só as brigas do Corinthians dão processos. Das outras, ninguém fala nada. Parece a casa da mãe Joana. Uma semana antes de a gente jogar em Brasília, houve um clássico lá que deixou pessoas na UTI até hoje. Não fizeram nem processo. Esse Paulo Schmitt (procurador do STJD) está de mais. Vou contratá-lo para trabalhar no Corinthians", ironizou Gobbi, irritado.

Em seu sarcasmo contra Schmitt, o mandatário corintiano se referiu ao confronto entre torcedores de São Paulo e Flamengo diante do Mané Garrincha. A punição pelo incidente foi direcionada apenas a uma torcida organizada. Na semana seguinte, seguidores de Corinthians e Vasco entraram em conflito nas arquibancadas da arena, e a consequência foi o STJD obrigar o time paulista a atuar fora da cidade de São Paulo na condição de mandante.

Desde então, o Corinthians já venceu o Bahia e empatou com o Atlético-PR em Mogi Mirim. O jogo contra o Criciúma, no dia 19, será em Itu. O time só poderá voltar a mandar uma partida no Pacaembu diante do Fluminense, em 10 de novembro, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na Copa do Brasil, no entanto, o departamento jurídico corintiano reverteu a impossibilidade de atuar na capital em dois jogos, que havia sido imposta pelo STJD em função de sinalizadores acesos na derrota por 1 a 0 para o Luverdense, fora de casa.

Neste domingo, o tumulto entre são-paulinos e policiais iniciou após as explosões de bombas na arquibancada, no intervalo do Majestoso. Em menor número no Morumbi, a torcida do Corinthians ironizou o entrevero - além de chamar os rivais (que faziam o mesmo) para briga.

Leia tudo sobre: CorinthiansSão Pauloorganizadasigspbrasileirãostjd

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas