Empresário compra time nos EUA e quer entrar na MLS com torcida de brasileiros

Por Mário André Monteiro | iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Flávio Augusto da Silva adquiriu o Orlando City Soccer e pretende usar os milhares de turistas brasileiros na Flórida para fazer o clube crescer. Um jogador de ponta está nos planos

O empresário brasileiro Flávio Augusto da Silva tem planos ambiciosos para o futebol dos Estados Unidos. Depois de adquirir o Orlando City Soccer, time que disputa a USL PRO (United Soccer League), uma liga profissional de menor expressão no país, ele pretende levar a equipe do estado da Flórida para a MLS (Major League Soccer), principal campeonato norte-americano, já nos próximos anos. Para isso acontecer, o investimento é alto.

Confira: Liga de futebol dos EUA planeja ser uma das maiores do mundo até 2022

Divulgação
Flávio Augusto da Silva, dono do Orlando City Soccer, clube dos Estados Unidos

"Vou investir 100 milhões de dólares (R$ 220 milhões) e o projeto total é de 160 milhões (R$ 353 milhões). O restante tem participação do governo da Flórida e da prefeitura de Orlando e de Orange County", disse Flávio em entrevista exclusiva ao iG Esporte. Segundo o empresário, esses são os custos para se adquirir a franquia na MLS e construir um estádio.

"Mas não adianta só apresentar resultado dentro de campo, mas sim um pacote como empreendedor, é um negócio. Nos EUA dá certo por causa disso. Dentro de campo você tem que estar bem, mas fora de campo também. Tem que apresentar o projeto, ver se será aceito", completou.

Vale lembrar que Flávio Augusto criou a escola de idiomas Wise Up, em 1995, conseguindo uma expansão para mais de 400 unidades no Brasil e países como Argentina, China e Colômbia. Neste ano, ele vendeu a sua rede de ensinos. 

O Orlando City foi fundado em 2010 por Phil Rawlins, que também é acionista do Stoke City, clube que disputa a primeira divisão do Campeonato Inglês. No começo de 2013, depois de muita pesquisa e busca de informações sobre o crescimento do futebol nos Estados Unidos, Flávio decidiu comprar o time. A paixão pelo esporte e a perspectiva de um excelente investimento motivaram o brasileiro.

E mais: Sem encheção de saco nos EUA, Marcos Senna lembra 'casa derrubada' na Europa

"Morei nos EUA entre 2009 e 2012. Nesse período, acabei me envolvendo com a agenda do meu filho, que jogava futebol, e entrei nesse ambiente. Acompanhava ele nos treinos e nos jogos. Minha decisão de investir no Orlando não está relacionada simplesmente porque eu gosto de futebol, mas sim porque enxerguei uma oportunidade de negócio", contou.

"Acompanhando meu filho, fiquei bastante impressionante com a quantidade de jovens envolvidos com futebol, de pais envolvidos, e resolvi ver isso com mais profundidade. Nisso me dei conta de que 24 milhões de crianças entre 5 e 17 anos de idade praticam futebol regularmente nos EUA. O esporte se tornou o mais praticado no país e isso me surpreendeu. Não sabia que o futebol já estava nesse patamar", comentou Flávio.

De acordo com o empresário, em 2012, a MLS teve uma média de público por jogo 50% maior do que a média de público do Campeonato Brasileiro. "Se for comparar com o Campeonato Carioca, a MLS teve nove vezes mais público em média. Já em relação ao Paulistão, a média foi três vezes e meia maior", disse.

Confira imagens do Orlando City Soccer:

Flávio Augusto da Silva e o presidente do Fluminense, Peter Siemsen, antes de amistoso realizado em 2013. Foto: Divulgação/FacebookOrlando City Soccer foi bicampeão da USL neste ano. Foto: Divulgação/FacebookFesta do título no vestiário da equipe. Foto: Divulgação/FacebookFlávio bate bola com torcedores do Orlando. Foto: Divulgação/FacebookFlávio tem bom relacionamento com os fãs do clube da Flórida. Foto: Divulgação/FacebookAlexandre Leitão, presidente da Octagon Brasil, Flávio Augusto da Silva, o inglês Phil Rawlins e o americano Brett Lashbrook. Foto: Divulgação/FacebookFlávio com torcedores do Fluminense. Foto: Divulgação/FacebookTorcida do Orlando City Soccer no Florida Citrus Bowl. Foto: Divulgação/FacebookGoleada do Orlando em 2013. Foto: Divulgação/FacebookJogadores do Orlando conversam antes de uma partida. Foto: Divulgação/FacebookEstádio cheio para acompanhar o jogo do Orlando City. Foto: Divulgação/FacebookOrlando City Soccer, clube norte-americano do empresário brasileiro Flávio Augusto da Silva. Foto: Divulgação/FacebookOrlando City Soccer, clube norte-americano do empresário brasileiro Flávio Augusto da Silva. Foto: Divulgação/FacebookEstádio cheio para acompanhar o jogo do Orlando City. Foto: Divulgação/Facebook

Orlando City, o segundo time dos brasileiros

Mais do que fazer sucesso dentro dos Estados Unidos com a entrada do time na Major League Soccer em 2015, Flávio Augusto pretende expandir seu negócio também para o público brasileiro. Isso porque cerca de 1,5 milhão de turistas brasileiros visitam a Flórida todo ano e o destino preferido é justamente a cidade de Orlando, principalmente pela grande quantidade de outlets e pelo complexo Disney.

Veja: Equipe americana faz promoção e veste atletas de personagens de Star Wars

"O Brasil é um capítulo à parte nessa minha decisão de investimento. Primeiro, me estruturei no fato de que o futebol é um sucesso nos EUA, do contrário não haveria razão para investir. Depois porque tem brasileiro para tudo quanto é lado em Orlando", disse Flávio. "Cerca de 70% das coisas que se vendem nos shoppings e outlets, são comprados por brasileiros. Brasil é um protagonista na economia e isso é um dos fatores que fazem a prefeitura apoiar", completou.

O objetivo é transformar o Orlando City no segundo time no coração de cada brasileiro. Um forte indício de que já existe bastante interesse é a página do clube criada no Facebook, onde mais de 117 mil pessoas do Brasil 'curtiram' para acompanhar a equipe mais de perto. Flávio entende que existe essa oportunidade de ganhar adeptos também fora dos Estados Unidos.

Divulgação/Facebook
Torcida do Orlando no Florida Citrus Bowl

"Isso prova que o brasileiro está interessado no time, já tem essa simpatia. E aí, quando o turista for visitar a Disney, a Universal Studios, pode ir assistir um jogo de futebol também", disse o empresário, adiantando que a ideia é contratar um jogador brasileiro de impacto para estrear junto com o clube na MLS.

Curta a página do Orlando City no Facebook

"E quando a gente colocar um atleta brasileiro de ponta, vamos chamar a atenção de toda imprensa, do público mundial, e criar uma relação mais legal com o torcedor", contou Flávio, que prefere não citar quais jogadores podem ser contratados, mas admitindo que existem alguns em mente.

"Temos alguns nomes em pauta, nada definido, mas vamos contratar jogadores do nível de Kaká, Ronaldinho Gaúcho, jogadores desse 'naipe' e que possam ajudar o time em campo e fazer uma ponte com o Brasil. Mas não temos nada assinado com ninguém, primeiro estamos focados em assinar o contrato com a MLS", disse o dono do Orlando.

Bicampeonato e sucesso de público

Recentemente, no último dia 7 de setembro, o Orlando City Soccer sagrou-se bicampeão da USL após derrotar o Charlotte Eagles na grande final por 7 a 4. O jogo foi realizado no Florida Citrus Bowl, estádio municipal que recebeu cinco partidas na Copa do Mundo de 1994 e que atualmente é a casa do clube. Mais de 20 mil pessoas acompanharam a conquista do título no local.

"Colocamos 21 mil pessoas na decisão, isso é uma mensagem para a MLS. Somos um time de segundo escalão que coloca mais de 20 mil pessoas no estádio e que já foi campeão duas vezes da USL", disse Flávio, já projetando o novo lar do clube.

"A prefeitura já comprou o terreno. As obras do novo estádio começam em 2014 e devem acabar em 2015. Vamos construir um lugar bacana, seguro, moderno. E faz parte dos nossos planos estrear na MLS já na casa nova e com um jogador brasileiro de expressão mundial", finalizou Flávio.

Confira no vídeo os gols e lances da final de 2013:


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas