Petraglia provoca São Paulo por Libertadores de 2005: “Bambinhos”

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente do Atlético-PR disse que time paulista usou de "forças ocultas" para não jogar em Curitiba o jogo de ida da final continental

Arquivo iG
Mario Celso Petraglia reviveu polêmica da final da Libertadores de 2005 vencida pelo São Paulo

Oito anos se passaram desde a última conquista do São Paulo na Libertadores. E nesta semana a polêmica sobre o mando de campo no jogo das finais do torneio de 2005, mandada pelo Atlético Paranaense em Porto Alegre, não foi esquecida pelo time de Curitiba. Na terça o presidente atleticano, Mário Celso Petraglia, elevou o tom para reclamar da Conmebol, da CBF e do próprio São Paulo, ao qual chamou por "bambinho".

Deixe seu comentário para esta notícia

Em 2005 a Arena da Baixada foi impossibilitada de sediar a primeira partida da grande decisão. A Conmebol barrou o estádio por considerar que ele não tinha a capacidade mínima para receber um jogo de final de Libertadores (40 mil). Na ocasião, o Atlético-PR iniciou a montagem de uma nova arquibancada para aumentar o espaço, mas, mesmo assim, teve de mandar seu jogo no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. A partida terminou com placar de 1 a 1 e, na volta, no Morumbi, o São Paulo goleou por 4 a 0.

"Quando nós chegamos ao Atlético-PR em 95, eu prometi a nossa torcida que seríamos campeões brasileiros em 10 anos. Fomos em 6 (anos) e quase bi em 10 (anos). Se não fossem as forças ocultas, nós teríamos sido bi. Se não fossem as forças ocultas nós teríamos sido campeões da Libertadores. Porque nos tiraram na mão grande, de uma forma vil do nosso estádio para jogar a final. Nós tínhamos os 40 mil lugares, eu tenho todos certificados. Da polícia, do CREA, dos Bombeiros. Certificando a capacidade. Por força de 'instruciones superiores' fomos jogar no Beira-Rio. Não foi o estádio, foi a desmoralização que nos fez perder. Dois meses depois, os bambinhos foram lá e tomaram de quatro", disse o presidente do Atlético-PR em entrevista ao canal "ESPN Brasil".

Veja a classificação completa, tabela de jogos, notícias e artilharia do Campeonato Brasileiro

Gazeta Press
Título da Libertadores de 2005 ficou com o São Paulo após vitória sobre o Atlético-PR na final

Após dizer em 1995 que o Atlético-PR seria campeão brasileiro em até dez anos (ergueu a taça em 2001), Petraglia voltou a fazer uma promessa para o torcedor rubro-negro paranaense: "Agora quando voltei, eu sou pretencioso, prometemos que em 10 anos seremos campeões do mundo. Se eu tiver saúde para isso, seremos. Não tem como não ser", decretou. Atualmente, o Atlético-PR é o terceiro colocado do Campeonato Brasileiro e está garantindo classificação para a Libertadores de 2014, primeiro passo no caminho até o título do torneio organizado pela Fifa.

Petraglia responde Paulo Baier
Na mesma entrevista, Petraglia rebateu as reclamações de Paulo Baier no último domingo, quando o veterano meia disse estar chateado por não ver a disposição do clube em renovar seu contrato que se encerra neste ano. Ele tem 38 anos.

"Aparentemente parece loucura , mas o que ele ganhou pelo Atlético?", disse o presidente, antes de explicar como se deu o processo de renovação contratual de Paulo Baier. O vínculo do meia se encerrava no ano passado e, segundo o mandatário, houve um acordo com o jogador pela extensão de somente mais uma temporada, até dezembro de 2013.

Site oficial do Atlético-PR
Paulo Baier é destaque do Atlético-PR aos 38 anos

"Não sou contra o Paulo Baier, muito pelo contrário. No ano passado, quando subimos para a primeira divisão, ele disse que gostaria de permanecer no clube para ajudar na volta à Série A e nos procurou para renovar. Nós não queríamos, porque a nossa política era de renovação. Então ele me disse que só queria jogar por mais uma temporada. E agora, nos melhores jogos nossos neste ano ele não estava em campo. Sabemos que o marketing do ídolo é muito forte. Decidimos que não renovaríamos para o ano que vem. Poderíamos enrolar, mas eu estou sendo criticado por ser honesto com ele. Ele, por outro lado, teve a felicidade de nos ajudar a ganhar o Atletiba e aproveitou o momento para ir à imprensa se queixar, parece que ele chorou e tudo. Mas o nosso compromisso verbal, de olho no olho, nós cumprimos", encerrou.

Paulo Baier vem sendo um dos destaques da excelente campanha do Atlético-PR. No domingo, chegou a marca de 99 gols no campeonato desde 2003, ano em que o mata-mata foi abolido. Nesta quarta-feira, ele não estará em campo na partida diante do Corinthians, em Mogi Mirim. Isto porque o técnico Vagner Mancini decidiu poupá-lo para preservar a sua melhor forma física, visando as próximas rodadas.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas