Tamanho do texto

Meio-campista não é titular na equipe de Renato Gaúcho, fato que colabora para queda de rendimento nas principais estatísticas individuais do Campeonato Brasileiro

De titular a reserva. De imprescindível a pouco importante. A vida do meio-campista Elano neste ano de 2013 sofreu uma reviravolta com as constantes lesões - no joelho e na coluna - e, principalmente, com chegada de Renato Gaúcho ao Grêmio . O experiente atleta de 32 anos vem sendo preterido no time titular e entra somente no decorrer de alguns jogos do Brasileirão .

Confira imagens da carreira de Elano :

Com Vanderlei Luxemburgo, Elano era peça fundamento no esquema de jogo em 2012 e no começo da atual temporada. Tanto que o meia fez 25 jogos pelo Grêmio no ano passado, sendo 24 deles como titular. Em 2013, das 14 partidas que o atleta já fez pelo time gaúcho, quatro deles foram como suplentes e em uma oportunidade ele nem entrou em campo, ficando no banco de reservas.

Após vitória no Morumbi, Renato põe Grêmio na briga pelo título do Brasileirão

Atualmente, a concorrência no meio de campo gremista é grande. E Elano, sendo reserva, piorou bastante seu desempenho nas principais estatísticas do campeonato, de acordo com números do Footstats.

Grêmio é o vice-líder do Brasileirão. Confira a classificação e os próximos jogos

No ano passado, pelo Grêmio, o meia esteve em campo por quase 1800 minutos, marcou sete gols e deu oito assistências que resultaram em gols. Na atual edição do Brasileirão, são 918 minutos jogados, a grande maioria ainda com Luxemburgo no comando, apenas três gols anotados e nenhuma assistência registrada.

Veja a comparação dos números de Elano em 2012 e 2013 :

Ano Gols Passes certos Finalizações Desarmes Faltas recebidas Assistências Jogos
2012 7 470 73 18 49 8 25
2013 3 242 29 12 21 0 14

*Footstats

Questionado sobre a manutenção de Elano entre os reservas, o técnico Renato Gaúcho deu a entender de que manterá o meia como suplente. "Você tem que ser inteligente e saber administrar. Não trabalho com time, mas grupo. No contrato destes jogadores (Elano e Zé Roberto) não tem cláusula que obrigue o técnico a escalá-los. Eu tenho um grupo e procuro colocar em campo o que é melhor para o clube para buscar os melhores resultados, que estão aí. Não importa quem jogar, mas a entrega do time", disse o comandante.