Juvenal Juvêncio admite erro e promete reformulação no São Paulo em 2014

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Para o presidente, recontratação de Muricy Ramalho daria um "choque" no elenco, além de ser uma peça-chave na possível reformulação do grupo na próxima temporada

Juvenal Juvêncio admitiu que errou ao escolher os técnicos do time após a demissão de Muricy Ramalho, em 2009. De acordo com o presidente, Ricardo Gomes, Paulo César Carpegiani, Adílson Batista, Émerson Leão, Ney Franco e Paulo Autuori não foram as melhores escolhas nos últimos anos.

Com Sul-Americana e Brasileirão, Muricy prioriza recuperação no São Paulo

"Não fomos tão felizes na escolha dos técnicos, isso é o que mais vai marcar. Fizemos um esforço enorme, conseguimos corrigir salários, aquelas comissões de cinco ou seis pessoas e as multas. Nisso fomos bem, mas a entidade não foi a mais feliz na escolha dos técnicos, isso é fato", reconheceu ao Estado.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo

Sobre a saída de Autuori, que teve só 25% de aproveitamento, o mandatário explicou: "As declarações, as posturas, havia uma repetição disso, a mesma ladainha, nada mudava. Sabia que precisava fazer algo e durante a madrugada me deu um estalo e pensei: ‘Vamos demitir o técnico’".

Segundo Juvenal Juvêncio, a recontratação de Muricy Ramalho, tricampeão brasileiro pela equipe, daria um "choque" no elenco, além de ser uma peça-chave na possível reformulação do grupo na próxima temporada. As mudanças, inclusive, também foram confirmadas pelo advogado.

Após condicional, zagueiro Breno pode voltar ao São Paulo em janeiro de 2014

"Não conversei com o Muricy ainda, estou deixando ele deslanchar um pouco, entender melhor onde está mais fraco, quero saber da visão dele sozinho e depois vamos sentar e conversar para não termos os sustos deste ano. Precisamos dar uma reordenada nesse processo", receitou.

SERGIO BARZAGHI / Gazeta Press
Paulo Autuori ao lado de Juvenal Juvêncio em sua apresentação

Confirmando que se surpreendeu negativamente com a fase tricolor em 2013, Juvenal Juvêncio só se esquivou das perguntas sobre o seu estado de saúde - recentemente, o Uol revelou que o presidente luta contra um câncer de próstata já há alguns anos.

No entanto, o mandatário garantiu que o quadro médico não preocupa. "Existe, mas ficam pensando: ‘Está na hora de matá-lo. Como não podemos matá-lo com faca, vamos fazer de outro jeito’. Esse negócio de próstata é algo natural: você tira, faz radioterapia e de dois em dois anos verifica se está tudo bem".

O problema, aliás, seria um dos principais responsáveis pela aceleração das eleições presidenciais do clube do Morumbi. Juvenal Juvêncio escolheu Carlos Miguel Aidar, uma espécie de padrinho político, como candidato a sucessor no processo eleitoral do ano que vem.

Com data marcada para deixar o comando são-paulino após sete anos, ele já definiu seu futuro. "Quero me afastar, mas não como aqueles que vão pescar e nunca mais voltam. Não vou comparecer ou dar palpites sobre técnicos e contratações. Serei um novo companheiro das reuniões, sem influência".

Leia tudo sobre: São PauloJuvenal Juvêncioigspbrasileirão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas