Kleina diz ter tirado Valdivia para não o "pegarem" após chapéu

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Meia fez jogada de efeito no final da vitória do Palmeiras obre o Sport e foi sacado pelo treinador para não se envolver em confusão

No momento em que o Palmeiras derrotava o Sport por dois gols de diferença, neste sábado, alguns jogadores ensaiaram lances de efeito passíveis de irritação do rival. Valdivia foi um deles, ao dar um chapéu na beirada do campo e quase ser atingido pelo marcador. Foi por isso, segundo o técnico Gilson Kleina, que ele saiu antes do final da vitória por 2 a 1.

Wesley marca dois, Palmeiras bate Sport e abre 17 pontos do quinto da Série B

"A gente sabe que ele é importantíssimo para o time, mas achei que, pelos lances, poderia acontecer algo. Quando ele deu um chapéu, o jogador entrou de um jeito que, se pega nele...", disse o treinador, quando informado de que o jogador havia dito que tinha condição de terminar a partida tranquilamente.

Wesley divide mérito dos dois gols e parabeniza garra de todos no Palmeiras

"Conheço um pouco mais do Valdivia agora. Sei da inteligência dele, mas coloquei um jogador mais descansado - faltavam 15 minutos - até para não ter risco de lesão grave. Se bem que ele teria condições, porque administramos da melhor maneira. Eu também quero que ele corresponda, com vem fazendo. Jogou praticamente os 90 minutos contra o Avaí", continuou.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Wesley marcou os dois gols da vitória do Palmeiras sobre o Sport

Substituído pelo volante Eguren aos 28 minutos do segundo tempo, Valdivia foi aplaudido pela maior parte dos 21.054 pagantes no Pacaembu. A principal torcida organizada, como de costume, se manteve em silêncio, assim como no final da partida, quando o chileno ouvia gritos de incentivo vindos da arquibancada atrás do gol.

Confira classificação, tabela de jogos e artilharia da Série B do Campeonato Brasileiro

"Torcedor tem o direito de aplaudir, de vaiar, de gostar, de não gostar, até porque paga ingresso. Na arquibancada, tem o direito. Mas continuar batendo sempre na mesma tecla não adianta nada", opinou o camisa 10, sempre questionado pela divisão que causa entre os próprios palmeirenses, alguns mais críticos.

"Faz parte. A crítica, como elogio, faz parte no futebol. No seu trabalho também (dirige-se ao repórter). Mas o que tem que ser dito é que estamos mais perto da Série A, estamos voltando a jogar melhor a cada jogo. Isso tem que ser elogiado", concluiu o jogador mais caro do elenco.

Leia tudo sobre: kleinavaldiviapalmeirasserie b

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas