Empresário da Indonésia acerta compra de 70% da Internazionale

Por iG São Paulo * |

compartilhe

Tamanho do texto

Erick Thohir se reuniu com o atual sócio majoritário, Massimo Moratti, para definir a venda do clube italiano

Patrick McDermott/Getty Images
O empresário Erick Thohir

Um dos clubes mais tradicionais da Itália, a Internazionale deverá trocar de dono em até um mês. Isto porque Massimo Moratti, presidente e acionista majoritário do clube, fez um acordo com o empresário indonésio Erick Thohir nesta quinta-feira, repassando cerca de 70% dos títulos a ele.

Comente esta notícia com outros torcedores

Após uma reunião em Paris, próxima do banco Lazard, Moratti confirmou que a negociação está bem adiantada, mas se esquivou para não cravar a transferência. Perguntado sobre o andamento das conversas, o empresário, um dos homens mais ricos do País, explicou.

"O encontro serviu para que a gente se conhecesse melhor. Gostei do que vi. E acho que isso é uma das partes mais importantes. O acordo já está feito, mas não definido. Não há grandes problemas, mas acho que isso ainda pode demorar um mês para ser fechado", disse Moratti.

Admitindo a possibilidade de deixar o comando da Inter, o empresário também falou sobre a atual situação do clube. "Essa será uma reestruturação mais organizada para que a gente possa enfrentar o futuro. Para manter o nosso nível, precisamos de uma reestruturação", finalizou.

Divulgação
Massimo Moratti, presidente da Inter de Milão

Massimo Moratti está à frente do clube de Milão desde 1995 (exceto de 2004 a 2006). Durante este tempo, o time conquistou quatro títulos do Campeonato Italiano, dois da Copa da Itália e dois da Supercopa da Itália, além de um da Liga dos Campeões da Europa e um do Mundial de Clubes da Fifa.

O empresário é filho de Angelo Moratti, um dos maiores presidentes da história da Inter. Angelo se tornou ídolo da torcida após as conquistas de duas Liga dos Campeões, duas Copas Intercontinentais e três Nacionais. Ele, que dá nome a uma praça em frente ao estádio da equipe, morreu em 1981.

No entanto, a reputação da família pode estar caindo na Itália, já que o time decepcionou a todos nas duas últimas temporadas europeias. A expectativa é a de que o novo dono injete mais dinheiro no clube, principalmente nas contratações de jogadores, acompanhando as filosofias da Inglaterra, Espanha e, agora, a França, com os ricos PSG e Monaco.


* Com Gazeta

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas