Kardec perde pênalti, mas 'exorciza fantasma' e faz Palmeiras disparar

Por Gazeta | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Atacante comanda a vitória, que teve também gols de Wesley e Serginho, além da entrada de Valdivia no segundo tempo

Miguel Schincariol/Gazeta Press
Alan Kardec comemora o primeiro gol do Palmeiras diante do ASA, no Pacaembu

Os mais de 8 mil palmeirenses presentes estiveram no Pacaembu ansiosos por ver Valdivia, mesmo que por meia hora. Mas acabaram assistindo a uma reviravolta de Alan Kardec. O centroavante com nome de famoso espírita perdeu pênalti, mas fez gol e participou dos outros dois na vitória por 3 a 0 sobre o ASA que deixa o time com cinco pontos de distância na liderança da Série B do Brasileiro.

Comente esta notícia com outros torcedores

Até a véspera da partida, Kardec não sabia que o ASA protagonizou um dos maiores vexames da história do Palmeiras, eliminando o maior campeão de torneios nacionais do futebol brasileiro na primeira fase da Copa do Brasil de 2002. Mas o artilheiro do clube na Série B exorcizou esse fantasma.

Os lances decisivos surgiram como uma redenção do centroavante. Aos 33 minutos, o atacante viu o goleiro espalmar sua cobrança de pênalti sofrido por Márcio Araújo. Dois minutos depois, abriu o placar e, aos cinco do segundo tempo, deixou o improvisado lateral esquerdo Wendel em condições de rolar para Wesley tocar a bola nas redes vazias.

O esperado Valdivia entrou aos 20 minutos da etapa final, mas Alan Kardec o superou até na função de garçom. Aos 34, o centroavante lançou para Serginho só deslocar o goleiro adversário e definir a vitória que deixa o Verdão com 48 pontos, contra 43 da vice-líder Chapecoense.

Veja como está a classificação da Série B

Para continuar sua tranquila caminhada de volta à primeira divisão, o Palmeiras visita o América-MG às 16h20 (de Brasília) de sábado, em Belo Horizonte. O ASA, ainda com 23 pontos, à beira da zona de rebaixamento, recebe o Joinville às 19h30 de sexta-feira, em Arapiraca.

O jogo

Para não desgastar o seu jogador mais caro, Gilson Kleina preferiu deixar Valdivia no banco de reservas, apostando mais uma vez em Felipe Menezes municiando o trio Leandro, Vinicius e Alan Kardec na frente. Mas a aposta não foi além de imposição de ritmo nos primeiros minutos, antes de o Palmeiras sucumbir à sua própria lentidão.

O time da casa começou a partida ignorando os espaços que o ASA deixava. Como todos os adversários que visitaram o Pacaembu nesta Série B, o time alagoano colocou o time inteiro atrás do meio de campo, mas com uma marcação desorganizada. A equipe de Arapiraca se espalhava deixando vácuos que poderiam ser aproveitados. O Palmeiras, contudo, não percebeu isso.

Wesley até trocou algumas vezes de posição com Wendel, volante destro improvisado na lateral esquerda, para comandar a saída de bola e destravar os anfitriões nesta noite, mas era pouco. Assim como Leandro, único atacante que se mostrou incomodado por ficar parado na frente esperando a bola e que voltava ao círculo central para agitar o time.

Luís Moura/Gazeta Press
Valvidia encara a marcação do ASA no Pacaembu

Apesar de sua missão ser a de armar, Felipe Menezes se escondia, como em todas as vezes que entrou em campo pelo Verdão. Só apareceu discutindo com colegas, e ao menos uma das broncas deu certo. Após levar uma dura de Márcio Araújo, tocou para Alan Kardec isolar e chutou com perigo. Mas foi só.

A lentidão irritava os defensores, que passavam a fazer lançamentos longos e ineficientes, principalmente em direção a Vinicius. Como o ASA só assustou em cabeceio fraco de Lúcio Maranhão, os jogadores de trás passaram a atacar, com direito a sequência de dribles de Vilson na meia-lua ofensiva e chute perigoso de Wendel na grande área.

Mas a surpresa da retaguarda mais eficiente foi quem mais recebe críticas: Márcio Araújo. Aos 31 minutos, o volante chutou rente à trave direita. Dois minutos depois, driblou três marcadores para entrar na área e, ao tentar passar pelo goleiro, foi ao chão. O árbitro marcou pênalti, para vibração em vão do palmeirense, já que Gilson espalmou a cobrança de Alan Kardec.

O erro em uma má atuação irritou o centroavante, para sorte do Palmeiras. Aos 35 minutos, o atacante dominou bola difícil tocada por Wesley, abriu mão do passe para seus companheiros no setor ofensivo e girou sobre seu marcador na meia-lua para bater firme, no mesmo canto rasteiro direito onde Gilson, menos de dois minutos antes, pegou seu pênalti.

Logo após o placar aberto, o Verdão ainda foi salvo por Tiago Alves, que rebateu chute de Wanderson pouco antes de sair de campo se contorcendo, reclamando de dores musculares. Seu esforço foi o suficiente para o time da casa ir para o intervalo nervoso só com as faltas duras que o ASA começou a cometer.

Para o segundo tempo, Kleina manteve a programação de usar Valdivia por cerca de meia hora e não mexeu no time. O espírito da equipe, porém, estava diferente. O líder da Série B entendeu que precisava se impor com eficiência, aproveitando-se da frágil marcação adversária para liquidar logo a partida. Foi o que aconteceu.

Mais uma vez, Alan Kardec foi decisivo, mesmo sem fazer gol. Técnico, o centroavante colocou o improvisado Wendel na lateral esquerda em condições de dar assistência para Wesley somente escorar a bola com o pé direito nas redes vazias, aos cinco minutos do segundo tempo.

Com os três pontos garantidos diante da falta de qualidade do ASA em fazer Fernando Prass trabalhar, a inércia palmeirense voltou. Não à toa, os torcedores fizeram festa quando Kleina chamou Valdivia e o colocou em campo no lugar do permanentemente discreto Felipe Menezes.

A expectativa com o chileno, porém, não se confirmou. Os alagoanos, na verdade, estiveram mais presentes no campo de ataque do que o contrário. Mas o Palmeiras ainda tinha Alan Kardec, e foi dele o passe para Serginho definir o resultado aos 34 minutos. 

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 3 X 0 ASA

Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data: 10 de setembro de 2013, terça-feira
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Wagner dos Santos Rosa (RJ)
Assistentes: Carolina Romanholi Melo (CE) e Rafael Trombeta (PR)
Cartões amarelos: Leandro (Palmeiras). Gilson, Tiago Garça, Glaybson, Reinaldo (ASA)
GOLS: PALMEIRAS: Alan Kardec, aos 35 minutos do primeiro tempo. Wesley, aos 4, e Serginho, aos 34 minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Fernando Prass; Luis Felipe, Vilson, Tiago Alves (André Luiz) e Wendel; Márcio Araújo, Wesley e Felipe Menezes (Valdivia); Vinicius (Serginho), Leandro e Alan Kardec
Técnico: Gilson Kleina

ASA: Gilson; Maicon, Tiago Garça, Fabiano e Chiquinho Baiano; Glaybson (Kleiton Domingues), Milton Júnior (Reinaldo), Djair e Didira (Tallyson); Wanderson e Lúcio Maranhão
Técnico: Leandro Campos

Leia tudo sobre: palmeirasasaalan kardecvaldiviaserie b

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas