Sem desfecho para Lúcio, São Paulo deixa camisa 3 guardada

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Zagueiro segue treinando separado do restante do elenco e continua no Brasil, já que não foi negociado na janela de transferências da Europa, encerrada na segunda-feira

Djalma Vassão/Gazeta Press
Lúcio segue no São Paulo

O São Paulo ainda não chegou a uma definição sobre o destino de Lúcio. Por isso, a camisa 3, que pertence ao zagueiro desde o início do ano - ele a tomou de Rafael Toloi -, segue reservada à espera de alguém que a utilize de fato, em campo. Embora o clube negue a possibilidade, o jogador ainda sonha em voltar a vesti-la.

Quem deve ficar com a 3 do São Paulo? Comente com outros leitores

O recém-contratado Antônio Carlos poderia herdá-la, mantendo a numeração que tinha no Botafogo, porém acabou recebendo a 4, que era de Rhodolfo (emprestado ao Grêmio). Não se sabe se ela será repassada a Roger Carvalho, zagueiro que trata lesão antes de assinar.

Leia também: São Paulo e Náutico fazem duelo de lanternas em Pernambuco

Independentemente da camisa, crescem as chances de Lúcio ficar no clube ao menos até o fim da temporada. Afastado em julho, ele quer continuar no Brasil - não saiu na janela internacional -, porém está impossibilitado de defender outra equipe da primeira divisão no Campeonato Brasileiro por já ter ultrapassado o limite de partidas por um mesmo time.

Se quiser se desfazer dele em definitivo, rescindido o vínculo unilateralmente, o São Paulo precisa compensá-lo com o pagamento de metade dos salários relativos ao tempo restante de contrato, válido até dezembro de 2014. A parte integral que cabe ao clube mensalmente é cerca de R$ 300 mil. É isso que dá ao jogador a tranquilidade para seguir no clube sem reclamações.

E ainda: Luis Fabiano já vê São Paulo melhor que rivais e falta de gol como 'detalhe'

Desde que passou a treinar separadamente - o que ainda faz, de acordo com membros da comissão técnica do clube -, Lúcio não deu nenhuma declaração a respeito, evitando criar atrito público com os dirigentes e o técnico Paulo Autuori, responsável por afastá-lo. Ele tem curtido mais a família, continua recebendo salário normalmente e desconsidera a hipótese de rescisão amigável.

Veja a tabela de jogos e a classificação do Brasileirão

A diretoria do São Paulo já começa a aceitar o fato de que muito provavelmente terá que arcar com um prejuízo milionário até o começo de 2014, quando o beque poderá receber propostas de outros clubes brasileiros. Até lá, consola-se no fato de que o afastamento "curou" o vestiário, segundo o treinador, apesar de a equipe continuar na luta para fugir da zona de descenso.

Leia tudo sobre: lúciosão paulobrasileiraoigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas