Capá, do PT de Francisco Morato, foi flagrado dando um chute em policial em estádio do DF

Vereador envolvido em confusão no Mané Garrincha posa ao lado do ex-presidente Lula
Facebook/Capá Vereador
Vereador envolvido em confusão no Mané Garrincha posa ao lado do ex-presidente Lula

O vereador Raimundo César Faustino (PT), conhecido como Capá e que tem mandato em Francisco Morato, na grande São Paulo, se pronunciou em nota a respeito da briga em que ele esteve envolvido no último domingo em Brasília, durante a partida entre Vasco e Corinthians pelo Campeonato Brasileiro.

Deixe seu comentário para esta notícia

Capá é filiado à torcida organizada "Gaviões da Fiel" e justificou o chute dado em um policial como "ímpeto de defesa". "Só quis que ele parasse de bater no torcedor", disse ele, culpando os agentes de segurança de truculência.

Leia a nota divulgada pelo vereador

Venho, através desta, responder à imprensa e aos cidadãos, em especial de Francisco Morato, a respeito das matérias veiculadas mencionando o meu nome.

Primeiramente, gostaria de esclarecer que sou sócio dos Gaviões da Fiel desde 1988. Cresci contribuindo nos diversos departamentos da torcida, como Depto. de Bandeiras, participação na fundação do Depto. Social, organização dos associados na região oeste e, atualmente, como membro do Conselho Deliberativo dos Gaviões da Fiel.

Capá, de óculos escuros, na entrada do Mané Garrincha antes do jogo de domingo
Reprodução/Site Vereador Capá
Capá, de óculos escuros, na entrada do Mané Garrincha antes do jogo de domingo

Com relação às imagens veiculadas, duas fotos não explicam toda a confusão que nos atingiu no momento em que assistíamos ao jogo. Estava eu, amigos de São Paulo e de Brasília, além de torcedores do Corinthians, tinha do Vasco e de outros time do Rio de Janeiro, o que é normal em Brasília. Fui ao jogo de carro com amigos da cidade. Já fomos de carro pela previsão da desorganização com as Torcidas Organizadas no estádio Mané Garrincha. Tanto que a torcida chegou cedo e foram adentrar no estádio quase na metade do 1º tempo. Eu já tinha encontrado amigos residentes no Distrito Federal antes das torcidas chegarem.

Acompanhamos as questões envolvendo as torcidas e temos confirmação que a cada jogo no estádio Mané Guarrincha com torcidas com relações adversas houveram confusão. Já estava preocupado com a ação inovadora de juntar torcedores sem trabalho algum de prevenção e conscientização. Desejamos que um dia cheguemos nesse patamar, mas acredito que é preciso ter mais investimento e trabalho para isso.

Leia mais: Vasco x Corinthians no DF tem confusão entre torcedores e invasão de campo

Não acredito que a maneira como esses jogos estão sendo planejados e realizados seja o ideal. Acredito também que mesmo a Polícia Militar de Brasília, que vem se esforçando, somente irá se aperfeiçoar com as experiências que viverá na prática, mas até isso ocorrer o futebol poderá pagar caro e torcedores também. Infelizmente, não se muda a cultura assim.

Voltemos aos fatos. Estávamos em cerca de dez amigos assistindo ao jogo. Corinthianos, vascaínos e até de outros times. Alguns amigos foram para os corredores e nós ficamos sentados conversando. Quando notamos estava ocorrendo algo, pois a euforia dos torcedores ao redor era notável. Percebi a correria da torcida vascaína, pois estava mais próxima de nós. Foi quando observamos vascaínos indo para cima de corinthianos que caminhavam no sentido deles. Explodiu a confusão.

Até esse momento estava um pouco distante, porém, em questão de menos de minuto, a confusão instalou-se no local onde estávamos. Uma barbárie e vários absurdos tanto de torcedores e como de agentes de segurança. Quando vi agentes entrando em nosso meio atrás de torcedores de forma truculenta, espirrando gás de pimenta aleatoriamente em mim, amigos e todos ao redor, ficamos indignados. Na sequência, presenciei um agente que, em vez de deter um torcedor (não sei se era corinthiano ou vascaíno), estava massacrando-o com borrachadas.

No meu ímpeto de defesa, só quis que ele parasse de bater no torcedor. Primeiro tentei colocar a mão na frente de uma borrachada, mas ele continuou e sem pensar chutei o policial. Apanhei bastante por esse chute. Deveria ter abraçado o policial na tentativa de fazer ele parar, pois talvez apanharia menos. Ciente de como funciona o tratamento dispensado aos torcedores, sabia que ele não daria ouvidos apenas com um pedido formal e correria o risco da truculência do mesmo jeito. Mas deveria ter agido de outra forma.

Como a matéria mencionou, sou um vereador de projetos. O mesmo senso de justiça que me levou a exagerar na ocasião, fez-me entrar no processo político para transformar a política e a vida das pessoas da minha cidade. Este ímpeto de lutar pelo o que acredito ser justo é o que me orienta em meus trabalhos.

Diferente da menção que fizeram a mim, temos um trabalho preventivo na região com as demais torcidas. Temos articulação com lideranças para os dias de jogos e outros assuntos, além de realizarmos ações sociais juntos, que estão divulgadas em meu blog conforme pesquisaram. Está lá também o Projeto de Lei da Marcha Mundial Pela Paz, que, através da articulação de nosso gabinete, foi levada como campanha de prevenção para as torcidas em todo Brasil.

Está tendo falhas na tentativa de mudança de cultura no futebol. Tem que investir mais na comunicação juntos aos torcedores. Não apenas juntar e punir posteriormente. No jogo presenciei muitas falhas. Além do risco iminente de juntar torcedores sem preparo e investimento, há falha no acompanhamento das torcidas, falta de conhecimento das adversidades existentes entre as mesmas. Tudo isso tem que estar nas pastas de informações dos setores de segurança.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.