Técnico afirma ser injusto cobrar do volante, que chegou ao clube nesta temporada, o mesmo desempenho de Guilherme

Tite, técnico do Corinthians
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Tite, técnico do Corinthians

Corinthians fez apenas um gol nos últimos três jogos. O técnico Tite insiste que as críticas são ligadas à grande expectativa criada em torno do time por causa das recentes conquistas. Ainda assim, o treinador sabe que é necessário criar alternativas para superar o momento instável.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

De acordo com o gaúcho, alterações táticas são possíveis. Mudar a característica dos jogadores no 4-2-3-1 e retornar ao 4-4-2 - com meias abertos e Alexandre Pato pelo meio, perto de Guerrero - são opções para um time que vem de derrota para o Luverdense, da terceira divisão.

"Pode acontecer, sim", disse Tite, deixando claro, na sequência, que não tem pressa para mexer. "É ter o devido tempo para análise e não cometer o erro que já cometi como técnico, aquela coisa de vai, volta, tira, bota, vem, não vem. Isso gera intranquilidade e uma falta de sintonia muito grande."

O Corinthians enfrentou dificuldade nos últimos jogos por conta da contusão de Guilherme. O volante vinha fazendo um ótimo papel na antiga vaga de Paulinho, hoje atleta do Tottenham, mas sofreu uma grave contusão e tem sido mal substituído por Ibson.

"Encontrar o tempo certo para a análise é um desafio. Não posso fazer a avaliação do Ibson em dois jogos. Futebol é repetição. O Paulinho ficou quase um ano trabalhando até ganhar a posição. É injusto pegar o Ibson, que está há pouco tempo no clube, e cobrar o mesmo desempenho do Guilherme", afirmou o técnico.

Por isso, o gaúcho, por enquanto, só usará o volante Renato Augusto como segundo volante em situações específicas de jogo. "Ele pode, sim. Em teoria, pode fazer essa função. Na prática, o campo vai mostrar. Mas o momento é do Ibson, precisa ter essa continuidade", repetiu Tite.

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.