Jogador de 35 anos, ex-Flamengo, revelou que torcia pela equipe paulista antes de se tornar profissional e citou 1994, quando tentou vaga nas categorias de base

Ao lado de Zinho, Renato Abreu recebe a camisa do Santos
Divulgação/Santos FC
Ao lado de Zinho, Renato Abreu recebe a camisa do Santos

Contratado para a sequência do Campeonato Brasileiro, o meia Renato Abreu realiza um sonho, aos 35 anos de idade. Isto porque, o experiente jogador revelou ser torcedor do Santos e que, por esta razão, defender o time da Vila Belmiro é um momento especial em sua carreira.

Comente esta notícia com outros torcedores

"Sempre fui torcedor santista, mas eu falo que a partir do momento em que você se torna profissional, o lado torcedor fica para trás. Porém, agora, estou podendo reviver isso. Tenho grandes lembranças do Santos, de quando eu descia (de São Paulo para a Baixada Santista) com o meu pai e os meus irmãos para ver jogos do time. Foram várias emoções na arquibancada. Por isso, me sinto feliz. Era um sonho de infância jogar no Santos", afirmou Renato Abreu, que chegou a jogar durante um período nas categorias de base do clube praiano.

"Em 1994 eu vim fazer teste aqui e era totalmente diferente. Não fiquei naquele momento, pois eu morava em São Paulo e tinha que descer todo dia e, depois, voltar porque eu tinha escola à noite. Eu acordava às 4 horas da manhã para vir para cá. Chegava dentro de uma Fiorino, de um amigo nosso, vendedor de peixe do mercado municipal de São Paulo. Mas estava muito cansativo. O meu pai pediu para eu ser alojado, só que o alojamento do Santos estava cheio. Naquela época, o sonho foi interrompido", contou.

Voltando ao seu lado torcedor, o meio-campista relembrou de alguns dos seus ídolos alvinegros, na época de frequentador das arquibancadas da Vila. "Eu me inspirava em grandes jogadores da época, mas gostava muito do Darci (meia, que também atuou pelo Grêmio). Naquela época, ainda tinha o Guga, o Almir, o Axel... o Índio na lateral, o Mauricio Copertino na zaga e o Edinho (atual auxiliar técnico do Santos) era o goleiro", relembrou.

Animado com a oportunidade de jogar em sua equipe de coração, Renato Abreu destacou a alegria do seu pai pela transferência ao Santos. "A família toda é santista, então, tenho certeza que o meu pai deve estar babando em casa. Se ele já assistia a cada jogo meu umas duas ou três vezes, agora vai ver seis ou sete vezes a mesma partida (risos)", comentou.

Já sobre a sua expectativa na chegada ao Santos, o atleta disse que espera provar, até o fim do ano, quando se encerra o seu contrato com os santistas, que deve permanecer no elenco para a próxima temporada.

"Meu primeiro objetivo é poder ajudar o Santos. Quero aproveitar esse momento, pois sinto um orgulho danado de vestir essa camisa. Espero nesse pouco tempo dar o melhor possível para deixar marcada a minha passagem por aqui. Quero trabalhar, com vontade, em prol do grupo", encerrou.


* Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.