Rogério Ceni admite que "nunca tinha vivido uma situação como esta"

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Neste último ano de carreira, o goleiro não consegue tirar o São Paulo de uma péssima sequência. Dos últimos 19 jogos que disputou, o clube venceu apenas um

O goleiro Rogério Ceni reconheceu que atravessa seu momento mais complicado em campo no São Paulo. Depois do empate por 0 a 0 com o Flamengo, no domingo, quando foi anunciado que deixou de ser o batedor oficial de pênaltis do time, o capitão lamentou a crise no Morumbi.

"Não tinha vivido uma situação como esta, mas tudo na vida tem sua primeira vez e estamos passando por um momento delicado", ponderou o goleiro, que ainda encontrou pontos positivos no duelo em Brasília. "Fizemos bons pedaços de jogo, sendo melhores no segundo tempo, mas a bola não entrou".

Rogério Ceni revela ordem de Autuori para Jadson bater pênaltis

Neste último ano de carreira, Ceni não consegue tirar o São Paulo de uma péssima sequência. Dos últimos 19 jogos que disputou, o clube venceu apenas um, diante do Benfica. A situação no Campeonato Brasileiro é ainda pior, já que o Tricolor não triunfa pela competição desde o dia 29 de maio.

Rubens Chiri/saopaulofc.net
Rogério Ceni, goleiro do São Paulo

Em função da série de 12 compromissos sem resultados positivos no Nacional, o time da capital paulista ocupa a penúltima posição. Neste contexto, Rogério Ceni perdeu a condição de batedor oficial de pênaltis, depois de ter desperdiçado suas chances contra Bayern de Munique e Portuguesa.

Diante do Flamengo, no domingo, Paulo Autuori ordenou que Jadson fizesse a batida, mas Felipe defendeu e aumentou o calvário são-paulino. Criticado nesta temporada pelo ex-diretor de futebol Adalberto Baptista e pelo ex-treinador são-paulino Ney Franco, Ceni fez questão de dizer que não teve qualquer problema com a decisão do atual treinador.

Admirado pelo capitão desde que dirigiu o São Paulo em 2005, Autuori não descartou dar novas chances ao goleiro em pênaltis até o fim do ano. "Nós conversamos depois do jogo contra a Portuguesa e tomamos a decisão com coerência e sensatez. Às vezes, você precisa dar um passo ao lado para se recuperar e seguir em frente. Se ele tiver de voltar, vai cobrar, porque ele tem qualidade nas cobranças", comentou o treinador.

Leia tudo sobre: são paulorogério ceniigspbrasileirão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas