Tite elogia marcação e garotos do Flu para explicar o 7º empate do Corinthians

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Corinthians é o time com mais empates do Brasileirão e perdeu chance de encostar na ponta

Era possível esperar mais do Corinthians após o bom triunfo sobre o Vitória no fim de semana, mas a equipe produziu pouco no empate por 0 a 0 com o desfalcado Fluminense. Para Tite, o jogo foi complicado por causa da boa marcação e do bom trabalho dos garotos escalados por Vanderlei Luxemburgo.

Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Tite comanda o Corinthians no Maracanã

Veja a tabela completa do Brasileirão

"Estávamos em um melhor momento, mas isso acaba quando você entra em campo em um clássico. Se colocou menino, é porque tem qualidade. Sei que Xerém forma bons jogadores", disse o técnico alvinegro, referindo-se a atletas como Igor Julião, Ronan, Willian e Kennedy.

Com o time escalado por Luxemburgo, que botou Edinho para ajudar a dupla de zaga, o Fluminense ofereceu pouco espaço aos visitantes no Maracanã. O Timão só teve maior ímpeto ofensivo nos 15 minutos finais, quando teve um homem a mais, porém não chegou à rede.

"Não tivemos o mesmo desempenho, mas isso foi pela organização, pela marcação forte e intensa, individual no setor, que o Fluminense estabeleceu. Nas vezes em que conseguimos nos desvencilhar, as conclusões foram pressionadas, não foram efetivas porque não foram limpas", analisou o treinador corintiano.

"O gramado escorregadio também tirou um pouco da precisão dos passes. A gente viu uma mudança de atitude na equipe deles em relação aos jogos anteriores. Com as mudanças, a equipe teve menos qualidade técnica, mas ficou mais veloz na transição. Os atletas que entraram emprestaram essa característica ao time", acrescentou.

Para superar a boa marcação, Tite trocou Alexandre Pato por Douglas, adiantando Emerson. Foi o Sheik que usou sua velocidade após um passe do meia para conseguir a expulsão de Gum. Aí o Corinthians foi de vez à frente, com Ibson e Danilo. Saíram o volante Guilherme e o zagueiro Paulo André.

Seedorf comemora gol de pênalti diante do Inter no Maracanã. Foto: Fernando Soutello/Agif/Gazeta PressScocco fez seus dois primeiros gols com a camisa do Inter. Foto: Fernando Soutello/Agif/Gazeta PressRodrigo Caio desvia de cabeça para fazer o gol do São Paulo no empate em 1 a 1 com o Atlético-PR. Foto: Fernando Dantas/Gazeta PressEdu Dracena, zagueiro do Santos. Foto: MIGUEL SCHINCARIOL / Gazeta PressEdu Dracena fez o gol santista contra o Vasco. Foto: Guilherme Dionízio/Gazeta PressMontillo em ação pelo Santos contra o Vasco. Foto: Ivan Storti/SantosRafael Vaz comemora empate do Vasco na Vila Belmiro. Foto: Miguel Schincariol/Gazeta PressChicão comemora primeiro gol pelo Flamengo. Foto: CRISTIANO ANDUJAR/ Agif/Gazeta PressEmerson Sheik enfrenta a marcação do Fluminense. Foto: WAGNER MEIER/ Agif/Gazeta PressJogadores do Criciúma comemoram gol sobre o Náutico. Foto: DEZA BERGMAN/Gazeta PressBill empatou para o Coritiba nos acréscimos contra a Portuguesa. Foto: Heuler Andrey/Agif/Gazeta PressPará e Souza disputam a bola no duelo entre Grêmio e Cruzeiro. Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPADida defende a cobrança de Everton Ribeiro, do Cruzeiro. Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPABarcos sofre a marcação de Bruno Rodrigo no duelo entre Grêmio e Cruzeiro. Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPAPedro Tone comemora gol do Vitória. Foto: Romildo de Jesus/Futura PressCuca orienta Luan na vitória diante do Bahia. Foto: Bruno Cantini/Clube Atlético MineiroLeonardo Silva é abraçado após marcar gol. Foto: Carlos Roberto/Hoje em Dia/Gazeta PressDátolo fez sua estreia pelo Atlético-MG contra o Bahia. Foto: Bruno Cantini/Clube Atlético MineiroRonaldinho ao lado do estreante Dátolo contra o Bahia. Foto: Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro

"O Renato gosta de jogar do lado, flutuar nas costas de um meia de articulação. O Douglas trouxe essa articulação central. Depois, usei o Danilo como pivô, porque ele já jogou assim e precisávamos de retenção. Abri Romarinho de um lado, Emerson do outro e botei qualidade no meio com Renato e Ibson. O Ralf ficou atrás para dar a saída e tivemos a bola do jogo, mas foi insuficiente", concluiu o técnico.

Leia tudo sobre: TiteCorinthiansbrasileirão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas