Lateral está em seu segundo ano no Palmeiras e quer apagar de vez a imagem ruim pelo rebaixamento para a Série B

Juninho foi um dos nomes mais contestados do Palmeiras rebaixado no Brasileiro do ano passado, tanto que chegou a ser reserva de Leandro, que estava aposentado, em jogos decisivos. Mas o lateral esquerdo, mesmo titular do time que lidera a Série B atualmente, não quer esse peso para si. E o reparte até com quem chegou neste ano.

Confira a classificação a tabela de jogos da Série B

"Fica essa sensação para quem está fora, mas não me sinto mais cobrado do que os outros. Existe a cobrança, mas é igual para todos. Isso que é importante", disse o camisa 6, reiterando ter apoio entre colegas e comissão técnica para sua tentativa de se ‘preservar’.

Juninho é cumprimentado por Leandro após fazer o gol do empate diante do Paraná
Piervi Fonseca/Agif/Gazeta Press
Juninho é cumprimentado por Leandro após fazer o gol do empate diante do Paraná

"Talvez o torcedor e outros pensem que sou mais cobrado, mas procuro não pensar assim. Aqui dentro, somos tratados igualmente. Conseguindo o objetivo de subir, vou ficar feliz como qualquer outro jogador que chegou neste ano", prosseguiu Juninho.

O discurso parece ser de alguém que ainda busca confiança. Em seu segundo ano no Verdão, o jogador foi reserva novamente em 2013, quando Gilson Kleina preferiu improvisar o volante Marcelo Oliveira em sua posição na Libertadores. Juninho foi titular na competição continental mais como meia, compensando as frequentes ausências de Valdivia.Mas o camisa 6 prefere falar do presente. Passado, somente um bem recente, como o seu gol no sábado, que empatou o jogo que terminou com a virada palmeirense sobre o Paraná em um Pacaembu quase lotado. O ano de 2012 já não passa mais pela cabeça de Juninho.

"Mudou a diretoria, o time e, principalmente, a atitude. Temos trabalhado muito mesmo. Passamos por uma fase ruim no ano passado, mas hoje as coisas voltaram a acontecer", comemorou, ressaltando a obrigação de todos por um futuro melhor do clube.

"É um ano complicado. O Palmeiras terá seu centenário no ano que vem e tem que voltar para a Série A. Precisamos ir bem. Vamos procurar esquecer o que aconteceu no ano passado. São novas metas, novos objetivos. É cabeça erguida", definiu o jogador, ainda criticado por palmeirenses nas arquibancadas, numeradas e camarotes dos estádios em que atua.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.