É inimaginável o Palmeiras fazer 100 anos na Série B, cobra Fernando Prass

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

"O clube necessita de qualquer maneira da subida, até porque no ano que vem é o centenário", avaliou o goleiro do time

O Palmeiras continua na liderança da Série B do Brasileiro e já cria a expectativa de confirmar com antecedência a sua volta à elite. O que, na opinião de seu jogador mais velho, não é nada mais do que a obrigação. Contratado neste ano, Fernando Pras nem considera a possibilidade de o time não subir e obrigar o clube a jogar a segunda divisão em 2014, ano de seu centenário.

Líder, Palmeiras aprende até que é necessário 'apanhar' na Série B

"O clube necessita de qualquer maneira da subida, até porque no ano que vem é o centenário. É inimaginável que continuemos na segunda divisão com o Palmeiras fazendo 100 anos", comentou o goleiro, até admitindo que o título da Série B vale mais para jogadores e comissão técnica do que para um clube grande colocar em sua sala de troféus.

SÉRGIO BARZAGHI/GAZETA PRESS
Fernando Prass, goleiro do Palmeiras

O elenco, contudo, trabalha com a obrigação de conquistar o acesso. As palavras são ditas até pelo presidente Paulo Nobre, que, porém, já afirmou estar montando em 2013 a base da equipe no centenário. "Temos que plantar neste ano e trabalhar muito sério para colhermos os frutos no ano que vem", indicou Prass.

E trabalhar sério, por enquanto, significa não se empolgar. "Trabalhamos para subir o quanto antes. Sabemos que, se continuarmos em primeiro, em relação à distância para o quinto provavelmente subiremos com algumas rodadas de antecedência. Mas não podemos pensar isso, senão tropeçaremos", ensinou o veterano.

O próprio atleta, no entanto, se anima com o desempenho atual do Verdão. Os comandados de Gilson Kleina encontraram entrosamento e ritmo, aparentemente, ideais na parada da Série B durante a Copa das Confederações, conquistando cinco vitórias e um empate nas seis partidas que disputou desde então. A expectativa é de bom papel na Copa do Brasil, a partir deste mês.

"Temos condições de jogar de igual para igual contra qualquer equipe do Brasil. Tivemos o exemplo no Campeonato Paulista: em três clássicos, não vencemos o Santos quando fomos superiores, tivemos uma leve supremacia quando o São Paulo teve um jogador expulso e contra o Corinthians foi muito equilibrado", lembrou o goleiro.

O veterano não citou outro empate no Estadual, contra o Santos, quando o Verdão teve Bruno no gol e foi eliminado nos pênaltis, nas quartas de final, na Vila Belmiro. Mas a melhora da equipe é clara. "Nosso time evoluiu muito daquela situação para cá, e temos que continuar assim. Queremos estar fortes porque vai ser só pedreira na Copa do Brasil. Mas qualquer um pode chegar", apostou.

Leia tudo sobre: palmeirassérie bigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas