Zagueiro Chicão se sente rejeitado pelo Corinthians: "Não saio porque quis"

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Chicão deixa o Corinthians com 247 jogos pelo clube e 42 gols, além de oito títulos

Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians
Chicão está fora do Corinthians

Chicão ganhou tudo que disputou desde 2008, quando chegou ao Corinthians, mas sente que sai pelas portas de fundo. A caminho do Flamengo, o zagueiro disse que o clube não só o liberou de graça, mas nem fez proposta para que ele renovasse o contrato que acabava em dezembro. E não escondeu sua tristeza pela forma como a diretoria o tratou.

Corinthians libera Chicão para assinar contrato com o Flamengo

"Não estou saindo porque quero, mas por opção do presidente Mário Gobbi, do Edu (gerente de futebol), do Roberto de Andrade (diretor de futebol) e do Duílio Monteiro (diretor adjunto de futebol)", disse o zagueiro ao jornal Diário de São Paulo, negando as informações de que os dirigentes tentaram mantê-lo até o fim de 2014.

"Há vários dias venho tentando conversar, mas em momento algum o Corinthians fez proposta. Fica difícil continuar em um lugar onde não te querem, onde você está na reserva", comentou, claramente chateado com a postura dos dirigentes.

"Quando surgiu a proposta do Flamengo, fui conversar com o Edu, o Roberto e o Duílio. Logo de cara, eles falaram que eu já estava liberado. De graça. Sem nenhum problema. Estou há cinco anos e meio aqui. Ganhei absolutamente tudo e merecia mais consideração", continuou cobrando o, agora, ex-defensor do Timão.

O zagueiro, contudo, não fez críticas diretas a Tite, embora tenha deixado clara a sua insatisfação por ser suplentes. E Chicão se desentendeu com o treinador durante a conquista do Brasileiro de 2011, quando perdeu a faixa de capitão e chegou a ser afastado antes de ser atrapalhado, também, por contusões seguidas.

Saindo agora, o jogador perde a chance de cumprir um objetivo pessoal que traçou: ser o zagueiro com mais gol na história do Corinthians (fez 42, contra 50 de Grané, que atuou nas décadas de 1920 e 1930). "Mas está bom demais. No Corinthians, fui muito, mas muito feliz. Ganhei tudo o que poderia, virei ídolo de uma das maiores torcidas do mundo e passei a ser respeitado no meu país", comemorou.

E é aos torcedores que Chicão deixa uma mensagem de carinho. "Só posso dizer muito obrigado para a torcida do Corinthians. Tenho um carinho enorme por todos e jamais vou me esquecer deles. Mesmo nos piores momentos, como em 2011 e agora, sempre estiveram ao meu lado. Até fico arrepiado ao me lembrar da torcida pedindo para eu ficar. E olha que eu estava no banco de reservas..."

Chicão deixa o Corinthians com 247 jogos pelo clube e 42 gols, além de oito títulos: o Mundial e a Libertadores de 2012, a Recopa Sul-americana de 2013, o Brasileiro de 2011, a Copa do Brasil de 2009, os Paulistas de 2009 e 2013 e a Série B do Brasileiro de 2008. Campeão em todas as temporadas com a camisa alvinegra, o zagueiro se esforçou para conter as lágrimas em sua despedida. "Foi emocionante. Deu até vontade de chorar, mas o futebol é assim mesmo", contou.

Leia tudo sobre: chicãocorinthiansigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas