Com 22 títulos na carreira, Danilo ainda sonha com seleção: 'Para matar vontade'

Por Bruno Winckler e Thiago Rocha - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Aos 34 anos, meia do Corinthians ostenta currículo vencedor pelos quatro clubes que defendeu, mas nunca foi sequer convocado para a seleção brasileira

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Danilo em treino do Corinthians: 22 títulos na carreira

Jogadores com poder de decisão e trajetória vencedora têm portas abertas em qualquer seleção do mundo. A regra informal do futebol, porém, não serviu para Danilo. Com 34 anos, o meia acumula atuações marcantes em clássicos e conquistas. Ao levantar como capitão do Corinthians o troféu da Recopa Sul-Americana, no dia 17 de julho, ele chegou a 22 títulos na carreira - são 18 neste século (a partir de 2001), mais do que qualquer clube brasileiro no mesmo período. Entre os jogadores em atividade no país, apenas Rogério Ceni e Seedorf ganharam mais torneios (ambos com 28). Mesmo assim, nunca sequer foi convocado para defender o Brasil. Como explicar isso?

Comente esta notícia com outros torcedores

"Na posição em que jogo é muito difícil. Tem muito jogador bom e que joga na Europa. Tem a ver com isso aí. Mas isso tem a ver com treinador também. De o treinador gostar do estilo de jogo. Acho que é mais por aí", tentou explicar Danilo ao iG Esporte após um treino do Corinthians na última quinta-feira.

A rotina de comemorar títulos compensa a ausência de integrar a seleção brasileira, assegura Danilo. Isso não significa que uma convocação não seria festejada. Ao estilo Danilo, claro, de forma serena, tranquila, sem muito alarde. "Lógico que se eu tivesse essa oportunidade ia ser bom. Se parasse de jogar bola hoje o que vai ficar faltando na carreira é isso, né? Nem que fosse um joguinho só para matar essa vontade", contou o jogador, com apenas quatro clubes no currículo - além do Corinthians, jogou por Goiás, São Paulo e Kashima Antlers (JAP). "Mas é como falei. O Brasil tem muito jogador bom, de qualidade. E é gosto do treinador. Convoca quem ele gosta", completou.

Leia mais: Em treino, Tite confirma Igor como titular contra o Grêmio

Apesar de veterano, tempo não será problema caso Luiz Felipe Scolari queira lhe dar uma oportunidade. Danilo tem contrato até julho de 2014 com o Corinthians e não faz planos para se aposentar. Gilmar Rinaldi, agente do jogador, já discute com o clube a extensão do vínculo. "Futebol você tem de jogar enquanto estiver bem. E hoje me sinto muito bem. Fisicamente, que é o principal. Estou no futebol há um tempo, tenho certa experiência, mas o que vale mesmo é fisicamente e vou até quando me sentir bem."

Mas apesar de não negar uma possível lembrança, Danilo acredita que seu tempo já passou, mesmo sendo titular e capitão de uma grande equipe e atuando no Brasil, onde os veteranos têm se destacado nas competições - casos de Alex, Forlán, Seedorf e Zé Roberto, entre outros. "Na época em que jogava pelo São Paulo eu estava num momento muito bom, cheguei até a ser cogitado. Eu era mais novo, estava muito bem, mas acabou que não tive oportunidade. Agora é mais difícil ainda. Tenho 34 anos já. Teve uma reformulação, jogadores novos chegando... Eu tenho é que fazer meu trabalho aqui (no Corinthians) sem me importar se vou ser chamado ou não."

Evolução na Ásia

Danilo também seguiu na contramão dos jogadores que se destacam por grandes clubes na hora de buscar uma experiência fora do país. Após ser campeão paulista, da Libertadores e do Mundial pelo São Paulo em 2005, o meia não chamou a atenção da Europa e acabou aceitando uma proposta do Kashima Antlers. Foi na Ásia que, segundo ele, seu estilo de jogo evoluiu: "Um futebol muito rápido, isso me ajudou bastante, não tinha muito poder de marcação e lá você tem de marcar o tempo todo. E isso acabou me ajudando bastante quando vim para cá. Mais ou menos da forma como a gente joga aqui. Joga todo mundo adiantando, marcando. Fiquei três anos lá e me adaptei jogando assim", garantiu o meia, que foi tricampeão japonês. "(Ir para o Japão) Nem foi muito pela independência (financeira), mas pelo futebol mesmo, de morar fora, outra cultura. Foi uma oportunidade que apareceu para mim naquele momento ali e acabei optando. Graças a Deus fui muito feliz lá também."

Na seleção ou não, o Corinthians precisará da estrela de Danilo para melhorar sua posição no Campeonato Brasileiro. Após nove rodadas, é o 11º colocado, com 11 pontos. Nesta quarta-feira, o adversário é o Grêmio, no Pacaembu.

Danilo deu o passe para o primeiro gol de Emerson na final da Libertadores de 2012. Foto: AFPFoi dele o gol da classificação contra o Santos na semifinal da Libertadores. Foto: Futura PressNo Mundial, Danilo teve atuação de gala contra o Chelsea. Foto: Daniel Augusto Jr./Agência CorinthiansContra o Al Ahly, ele também participou do gol de Guerrero. Foto: APContra o São Paulo, na Recopa, deixou sua marca. Foto: Andre Penner/APCapitão, ergueu a taça de campeão da Recopa. Foto: SERGIO BARZAGHI / Gazeta PressDanilo também marcou seu gol na final do Campeonato Paulista de 2013. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressNa Libertadores deste ano, fez gol na vitória por 1 a 0 sobre o Millonarios na Colômbia. Foto: Fernando Vergara/APNo Paulistão deste ano, fez um golaço na vitória por 2 a 1 sobre o São Paulo. Foto: Mauro Horita /Gazeta PressDanilo, do Corinthians, tranquilo no treino . Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians




Leia tudo sobre: danilocorinthiansbrasileiraoseleção brasileira

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas