Afastado no Flamengo, meio-campista chegou ao clube paulista em junho e participou de todas as partidas desde então. No domingo, terá chance como titular na armação

Ibson durante treino do Corinthians
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Ibson durante treino do Corinthians

A transferência para o Corinthians representou um divisor de águas na temporada de Ibson. Nos primeiros cinco meses do ano, participou de apenas 13 partidas pelo Flamengo antes de ser afastado. A situação mudou completamente após a mudança para São Paulo. Nos três jogos disputados pelo clube paulista desde a sua chegada, o meio-campista não só foi relacionado como acabou entrando em campo todas as vezes.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Inicialmente, o jogador foi adquirido para aumentar o leque de opções do técnico Tite para a posição de segundo volante. A contratação era uma medida de precaução da diretoria corintiana para uma possível saída de Paulinho – o que acabou se confirmando após a Copa das Confederações. Mas, neste domingo, diante do Atlético-MG, Ibson terá a chance de atuar como titular pela primeira vez no novo clube em uma outra função: a de armador.

"Eu nem me lembro da última vez em que atuei mais de 45 minutos. Estou bastante feliz, tivemos algumas semanas de trabalho forte”, comemorou Ibson, fazendo referência ao período de pausa na temporada brasileira durante a Copa das Confederações. “Essa mini pré-temporada que tivemos no mês passado ajudou, e eu estou preparado para que as coisas possam acontecer naturalmente", completou.

Leia mais: Tite elogia o Atlético-MG e vê semelhanças com o Corinthians

Jogar como armador, centralizado no meio de campo, não é exatamente o que Ibson mais gosta de fazer dentro de campo. "Já fiz a função no Flamengo, mas prefiro vir de trás", admitiu. Mas as contusões dos meias Danilo, Douglas e Renato Augusto, aliadas à sua versatilidade, o levaram a ser escolhido por Tite para ocupar a função.

“Perdemos os três armadores, aí o Ibson vai jogar em uma posição que não é a melhor dele”, disse o comandante corintiano. “Ele é melhor pelo lado em uma linha de três jogadores ou como segundo volante, que vem de trás. Agora, ele terá de jogar um pouco de costas porque não tem outro jogador para trabalhar ali naquela função. Por isso é importante ter jogadores versáteis na equipe. Para eventualidades como essa”, concluiu.

A possibilidade de contar com a versatilidade de Ibson faz Tite exaltar as peças que tem à disposição no elenco. "Eu poderia reclamar que não tenho articulador. Que não tenho o Renato, o Douglas, o Danilo, o Emerson. Mas nem por isso a equipe fica fragilizada", refletiu o treinador.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.