Ferran Soriano, empresário catalão que trabalha para ingleses, foi vice-presidente do Barça

Ferran Soriano, CEO do Manchester City
Marco Luzzani/Getty Images
Ferran Soriano, CEO do Manchester City

O empresário catalão Ferran Soriano morou no Brasil entre o final da década de 1990 e o início dos anos 2000. Atuava no País no setor de telecomunicações na mesma época em que o Corinthians conquistava o seu primeiro título mundial. A partir de então, retornou a Europa e tornou-se dirigente esportivo - foi vice-presidente financeiro do Barcelona e atualmente é CEO do Manchester City , além de chefiar o recém-lançado New York City FC -, enquanto o clube brasileiro caiu e subiu de divisão antes de voltar a se consagrar com mais um troféu da Fifa.

Não foi tão à distância, contudo, que Ferran Soriano acompanhou as transformações do Corinthians nos últimos anos. Descendente de espanhóis, o então presidente Andrés Sanchez queria se inspirar em alguns exemplos administrativos que o empresário catalão havia implantado no Barcelona para resgatar o clube brasileiro da Série B em 2008. O diretor de finanças Raul Corrêa da Silva diz ter tirado dinheiro do próprio bolso para viajar à Espanha e conversar com Soriano, com quem trocou uniformes personalizados.

Para Ferran Soriano, que hoje se orgulha de comandar o rico Manchester City na maior liga nacional do mundo ("de longe", nas suas palavras), o Corinthians provou ter aprendido algumas de suas lições ao conquistar o Mundial de Clubes diante de um adversário inglês, o Chelsea. Questionado se o time brasileiro já é capaz de fazer frente aos europeus não apenas dentro de campo, o empresário não hesitou em afirmar com um português fluente: "Acho que sim, e esse é o grande desafio".

Leia também: Saída de Paulinho reativa trabalho de olheiros para repor peças no Corinthians

Especialista em finanças, o CEO do City apontou justamente o poderio econômico do Corinthians como trunfo para a tão sonhada internacionalização definitiva da marca. "A receita do Corinthians hoje é a mesma de Ajax, da Holanda, e de Galatasaray e Fenerbahce, os dois maiores clubes turcos. É até maior do que a de 15 dos 20 clubes do Campeonato Espanhol. Ou seja, o Corinthians já pode fazer bons investimentos nos melhores jogadores ou mantê-los por mais tempo antes de vendê-los para o futebol europeu", analisou Soriano.

De fato, o Corinthians gastou cerca de R$ 40 milhões para tirar o atacante Alexandre Pato (ainda com mercado no futebol europeu) do Milan nesta temporada. Vendeu o volante Paulinho para o inglês Tottenham no mesmo ano, porém só depois de recusar uma proposta oficial da Internazionale. "Os clubes brasileiros devem manter os jogadores até o momento certo - isto é, quando os seus salários e preços de mercado possam ser pagos sem arriscar a viabilidade financeira das instituições", comentou o CEO do City, antes de fazer novos elogios à gestão esportiva de equipes do Brasil.

Soriano ao lado do ex-treinador do City, Roberto Mancini, e do chairman do clube, Khaldoon al-Mubarak
Michael Regan/Getty Images
Soriano ao lado do ex-treinador do City, Roberto Mancini, e do chairman do clube, Khaldoon al-Mubarak

"Nos últimos anos, houve uma mudança positiva para os clubes brasileiros. Em 1990, alguns times venderam por pouco dinheiro seus jogadores a times de campeonatos menores da Europa, como Ronaldo Nazário e Romário ( ambos foram para o PSV, da Holanda ), que os repassaram depois. A figura começou a mudar com a venda do Pato para o Milan, já por uma quantia bem maior, e chegou agora ao nível máximo com a saída do Neymar para o Barcelona. Os negócios principais passaram a ser feitos no Brasil, por brasileiros", avaliou.

No Corinthians, no entanto, as maiores receitas não provêm mais das transações de atletas. O clube se beneficiou da negociação individual de direitos de transmissão televisa dos jogos de futebol no Brasil e aumentou consideravelmente os seus rendimentos. Com esse cenário, Ferran Soriano é um daqueles que acreditam em uma polarização de forças entre os times com as maiores torcidas no País - teoria já levantada pelo ex-presidente corintiano Andrés Sanchez.

"O futebol brasileiro deverá escolher o seu modelo com cuidado. Na Inglaterra, os quase € 2 bilhões de direitos de transmissão são repartidos entre os clubes também por meritocracia, com o atual campeão ganhando € 120 milhões e o último colocado, € 80 milhões. Na Espanha, a diferença é bem maior. Barcelona e Real Madrid receberão cerca de € 140 milhões agora, enquanto o último colocado terá direito a € 12 milhões. Pode-se argumentar que essa situação é injusta, mas a demanda e o tamanho das torcidas são as justificativas. O Brasil terá de escolher o seu modelo de reparte mais justo, fazendo um campeonato competitivo. É algo que deve ser estudado e discutido com profundidade", orientou Soriano.

Os pontos de vista do CEO do Manchester City sobre esses e outros dilemas financeiros foram expostos no livro "A bola não entra por acaso", relançado no Brasil recentemente pela Editora Lafonte. A obra não foi parar na cabeceira apenas de dirigentes do Corinthians. José Carlos Brunoro, anunciado como CEO do rival Palmeiras na gestão de Paulo Nobre, foi mais um brasileiro a prometer se espelhar na filosofia do catalão para também fazer ressurgir um time que foi parar na Série B.

Quando o assunto é o Palmeiras, no entanto, Ferran Soriano desconversa da mesma forma como faz diante de temas administrativos que vão além das finanças - ele também não se aprofundou, por exemplo, sobre o atacante argentino Tevez, vendido pelo City à Juventus depois de protagonizar algumas polêmicas na Inglaterra. O catalão crê que o modelo utilizado para o Barcelona conquistar dois títulos europeus e três espanhóis após um jejum que perdurava desde 1999 não seja o único viável para os dirigentes brasileiros.

"O que foi feito no Barcelona pode servir como inspiração, mas do mesmo jeito que você pode estudar o desenvolvimento do futebol de base do Ajax dos anos 1980 e 1990 ou a recuperação espetacular do Borussia Dortmund, passando da falência à final da Champions League . Cada clube deve encontrar o seu próprio caminho. É preciso entender o que os outros fizeram apenas para poder inovar e encontrar a sua própria estratégia", ensinou Ferran Soriano.

Com tantos conselhos, o CEO do City seria um bom candidato a voltar ao Brasil - não mais no ramo de telecomunicações, mas como responsável por fazer a bola deixar de entrar por acaso em times do País. "Tenho bons amigos no Brasil, para onde viajo bastante", indicou Ferran Soriano, antes de avisar que continuará observando o Corinthians e outras equipes à distância. "Estou concentrado no City e no novo New York City FC. Não penso em outra coisa! Mas acho que o futebol brasileiro tem um futuro brilhante e vai atrair mais talentos também na gestão de clubes."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.