Tribunal de Justiça da Bahia derruba liminar que mantinha Marcelo Guimarães Filho no cargo

Guimarães Filho foi deposto da presidência do Bahia
Site oficial
Guimarães Filho foi deposto da presidência do Bahia

O Tribunal de Justiça da Bahia decidiu nesta terça-feira derrubar a liminar que mantinha Marcelo Guimarães Filho da presidência do Bahia desde março de 2012. A decisão foi aprovada pela desembargadora Lisbete Maria de Almeida, em processo que julgava irregularidades em sua administração e em sua reeleição, em 2011. O clube volta a ser administrado de maneira temporária pelo advogado mineiro Carlos Rátis, o Kakay, nomeado interventor nesta segunda.

Além de Marcelo Guimarães Filho, que não compareceu ao julgamento e ainda não comentou o caso, caiu também todo o conselho eleito em dezembro de 2011. A medida, votada por unanimidade, ainda cabe recurso. Desta vez, porém, apenas no Supremo Tribunal Federal.

O processo inicial sobre a intervenção foi aberto no final de 2011, perto da reeleição de Guimarães Filho. Na ocasião, o ex-conselheiro Jorge Maia denunciou sua gestão afirmando que ele e outros membros da oposição teriam sido impedidos de votar na eleição. Além disso, o pleito teria contado com eleitores "fantasmas".

Com isso, o processo eleitoral foi interrompido e suspenso. Nomeado interventor pela primeira vez, Rátis pretendia convocar novas eleições para escolher novos conselheiros e, posteriormente, o presidente do Bahia. No entanto, o desembargador Gesivaldo Brito anulou a liminar concedida pelo juiz Paulo Albiani e Marcelo Guimarães Filho foi reeleito para mandato de três anos.

A segunda intervenção aconteceu três meses depois, quando Paulo Albiani voltou a suspender a eleição. Rátis foi nomeado interventor novamente e colocaria o seu plano em ação, não fosse nova liminar conquistada pelo departamento jurídico do clube - que caiu nesta terça-feira.

Agora, Rátis trabalhará com grupo de apoio determinado por Albiani. Sua função será avaliar se a eleição de Guimarães Filho foi legal, as consequências de seu legado administrativo para o clube e a atual situação financeira do Bahia, esclarecendo possíveis irregularidades. Após concluir esse processo, sem prazo estabelecido pela justiça, o advogado convocará nova eleição no clube.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.