Dirigentes do Corinthians pedem que Fiel não devolva agressão no Pacaembu

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Na chegada ao Morumbi para a partida que abriu a decisão da Recopa Sul-americana, contra o São Paulo, o ônibus alvinegro foi atacado

Pedro Taveira/iG São Paulo
Marcas de pedradas no ônibus que trouxe elenco do Corinthians para o Morumbi

Os dirigentes do Corinthians previram que não haverá um revide das agressões sofridas pela delegação do clube na última quarta-feira. Na chegada ao Morumbi para a partida que abriu a decisão da Recopa Sul-americana, contra o São Paulo, o ônibus alvinegro sofreu uma chuva de objetos, de latinhas a rojões. A partida de volta está marcada para o próximo dia 17, no Pacaembu.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Não creio em uma reprise do que vimos lá. Peço encarecidamente que não se faça isso, peço encarecidamente que todos se dirijam ao estádio e assistam ao jogo, comemorem, participem com educação, respeito ao próximo, respeito ao ser humano, respeito ao cidadão. Não tenho o menor temor de que haja alguma coisa parecida", afirmou o presidente Mário Gobbi.

"Foi uma situação chata. O tempo passa, e isso não muda, mas não há muito o que se fazer. Acaba que isso nos motiva, como o Guerrero falou, é uma final de campeonato", disse Duilío Monteiro Alves, diretor adjunto de futebol, antes de concordar com o chefe. "Não acho que vá se repetir. Espero que não, penso que não. A torcida do Corinthians não tem esse costume."Os cartolas do Timão, no entanto, procuraram não responsabilizar o São Paulo pelos problemas registrados no Morumbi. Mário Gobbi voltou a usar a linha de raciocínio adotada logo após o incidente, que antecedeu o triunfo alvinegro por 2 a 1, fazendo uma de suas características e acaloradas explanações.

Leia mais: Machucados, Emerson, Danilo e Douglas estão fora da Recopa

Renato Augusto comemora o gol da vitória corintiana. Foto: Miguel Schincariol/Gazeta PressAloísio dá um carrinho no vazio para comemorar o gol de empate do São Paulo. Foto: Miguel Schincariol/Gazeta PressOs técnicos Ney Franco e Tite conversam no intervalo do clássico. Foto: Fernando Dantas/Gazeta PressDanilo se machucou e teve de ser substituído. Foto: Fernando Dantas/Gazeta PressGuerrero abre o placar para o Corinthians no jogo de ida da final da Recopa. Foto: SÉRGIO BARZAGHI/GAZETA PRESSGuerrero comemora seu gol sobre o São Paulo na final da Recopa. Foto: Andre Penner/APLuis Fabiano chuta, mas Paulo André chega para atrapalhar. Foto: SÉRGIO BARZAGHI/GAZETA PRESSDouglas e Emerson duelam pela bola no Morumbi. Foto: Andre Penner/APLúcio recebe marcação dupla de Danilo e Emerson no Morumbi. Foto: Miguel Schincariol/Gazeta Press

"Isso não é culpa do São Paulo nem dos dirigentes do São Paulo. Dirigente de futebol não educa a sociedade no berço, é preciso educar o sujeito quando ele nasce. Tem que se ter educação, saúde, segurança, justiça, distribuição de renda, moradia, tem que se explicar ao torcedor que futebol é apenas um jogo, não é questão de vida ou morte. Quem ganha não é o rei, e quem perde não é o vilão, não é o bandido, não precisa ter a cabeça colocada na bandeja", comentou.

O exaltado discurso do presidente, no qual foram citados ainda a PEC 37, Afanásio Jazadji e Gil Gomes, pedia ação nas causas da violência, não nas consequências. Seja como for, ele está certo de que não haverá no Pacaembu consequências sociais como as observadas no Morumbi.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas