A atitude também irritou os sócios que estavam interessados em acompanhar os esclarecimentos sobre a venda do seu maior astro

Os conselheiros do Santos se reúnem na noite desta terça-feira, na Vila Belmiro, para uma sessão ordinária, que terá como tema principal o parecer da Comissão Fiscal do Peixe sobre a transferência do atacante Neymar para o Barcelona (Espanha). A reunião, porém, começou com o clima quente. Isto porque, associados que compareceram ao estádio e gostariam de assistir ao encontro, além de integrantes da imprensa, não puderam ficar para acompanhar a sessão.

Fisiologista faz avaliação positiva dos jogadores do Santos na reapresentação

Atendendo a um artigo do regimento interno santista, que determina que apenas conselheiros podem participar da reunião, o presidente do Conselho Deliberativo, Paulo Schiff - cuja profissão é a de jornalista -, submeteu a presença de sócios e da imprensa para a análise dos membros. Em votação apertada, a entrada de ambos foi recusada. Funcionários também não foram autorizados a acompanhar o encontro.

O conselheiro Armando Gomes, jornalista que apresenta um programa esportivo de televisão, na Baixada Santista, deixou a reunião, em protesto a decisão do Conselho Deliberativo de vetar a participação de associados e jornalistas na sessão.

Milan e Robinho pedem alto, Santos se assusta e já admite encerrar negociação

A atitude também irritou os sócios que estavam interessados em acompanhar os esclarecimentos sobre a venda de Neymar. A cúpula alvinegra, oficialmente, não confirma valores. Apesar disso, o Barça declarou que desembolsou 57 milhões de euros (cerca de R$ 158 milhões), fato que gerou a desconfiança de conselheiros, que cobram transparência sobre a parte recebida pelo Santos na operação, tendo em conta que a diretoria nega que a transação tenha sido fechada nesta quantia.

Na negociação, o atleta recebeu 10 milhões de euros (aproximadamente R$ 27,8 milhões), o que faria com que o restante fosse dividido entre o Peixe, que era detentor de 55% dos direitos econômicos do jogador, da Teisa (Terceira Estrela Investimentos S.A), grupo de investidores ligados ao presidente Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, que tinha 5%, e o grupo DIS possuía 40% de Neymar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.