Rafael Marques revela insatisfação como reserva, mas respeita Cuca

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Com Réver servindo a seleção brasileira, Rafael Marques vai ganhar chance como titular na zaga do Atlético-MG, ao lado de Leonardo Silva

O Atlético-MG terá uma dupla de zaga diferente na partida desta quarta-feira, contra o Santos, na Vila Belmiro. Sem Réver, servindo a seleção brasileira, e Leonardo Silva, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, o técnico Cuca terá que acionar Rafael Marques, que foi pouco aproveitado na temporada, situação que incomoda o defensor, que sem evitar polêmicas reclamou da situação.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Bruno Cantini / Divulgação
Rafael Marques admite insatisfação com a reserva do Atlético-MG

"Sou bem sincero em tudo o que falo e coloco. Sinceramente não tenho na minha cabeça o pensamento de recuperar a titularidade. Passaram-se seis meses, tive uma chance e o Cuca tem tudo decidido. Respeito a decisão do treinador, os meus companheiros, mas ele já decidiu, estou aqui para fazer bem o meu trabalho até para não complicar mais a situação que estou aqui", declarou.

Rafael Marques afirma que está contente no Atlético-MG, mas reclama da falta de oportunidades com o técnico Cuca. "Estou feliz, mas não estou satisfeito. Não tive nenhuma conversa com o treinador. Ele não tem obrigação de me dar explicação. Sou funcionário. Tenho que vir com alegria e prazer para fazer meu trabalho", desabafou.

O defensor atleticano nega que tenha qualquer tipo problema com Cuca, e afirma entender a opção tática do treinador. "Meu relacionamento com o Cuca é profissional. A gente conversa pouco. É muito profissional, super tranquilo. Foi ele que me trouxe para o Atlético-MG. Mas tenho que ser realista. Ele tem a opção do Gilberto Silva e já definiu Réver e Leonardo Silva como titulares. A escolha dele tem dado certo", disse.

Rafael Marques aponta o ambiente de trabalho do Galo como um dos fatores de motivação para não deixar o clube. "O que me faz ficar aqui é o ambiente de trabalho. É um grupo de muita amizade, envolvido em grandes competições, com chances de conquistas. O dia que eu não me sentir importante mais, não tiver mais o respeito dos companheiros e da torcida, eu vou embora", concluiu.

Leia tudo sobre: atlético-mgrafael marquescuca

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas