"Isso nem foi citado, já passou. É algo que aconteceu há mais de dez anos, a gente nem lembrou", disse Leandro

Há 11 anos, o palmeirense é vítima de gozações por ter sido eliminado na primeira fase da Copa do Brasil de 2002 pelo ASA. No reencontro com o time, nessa terça-feira, em Arapiraca, o time alviverde fez 3 a 0 com facilidade , ainda no primeiro tempo. Mas os jogadores não lembraram do vexame histórico em nenhum momento.

Jogadores do Palmeiras celebram gol no duelo contra o Asa
AILTON CRUZ /Gazeta Press
Jogadores do Palmeiras celebram gol no duelo contra o Asa

"Isso nem foi citado, já passou. É algo que aconteceu há mais de dez anos, a gente nem lembrou", disse Leandro, que é de família palmeirense e tinha nove anos quando o seu pai, torcedor fanático do Verdão, deve ter sofrido com aquela eliminação.

Jogar como 'time pequeno' é explicação do Palmeiras para bater ASA

Em vez de preocupação com vingança, havia foco na forma como lidar com o cansaço. O time jogou em Itu no sábado e viajou todos os dias até esta quarta-feira, incluindo passagens por Maceió e Arapiraca, a cerca de 125 km da capital alagoana e com trajeto feito em ônibus. Tudo isso evitou uma goleada que poderia consolidar o sentimento de satisfação do torcedor em relação à vergonha de 11 anos atrás.

"É normal. Conseguimos o resultado no primeiro tempo e automaticamente iríamos dar uma abaixada mesmo. O time deles ia crescer também, pois estava perdendo o jogo, e não tinha como manter o ritmo ganhando por 3 a 0. Conseguimos o resultado muito cedo e era automático dar uma caída no segundo tempo", justificou Charles, que, como os colegas, citou o gramado pesado do estádio como argumento.

"No segundo tempo, pesou um pouco. A viagem longa, o campo pesado... Mas já estávamos com um placar elástico", apontou Leandro. "A grama estava muito pesada, mas graças a Deus disputamos superbem e conseguimos nosso objetivo: a vitória", comemorou Charles.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.