Técnico do Flamengo admitiu a insatisfação com o empate por 0 a 0 diante do Santos e acredita que seu time foi superior na partida

Jorginho, técnico do Flamengo
Fla Imagem
Jorginho, técnico do Flamengo

Jorginho era o braço direito de Dunga quando Neymar ficou fora da Copa do Mundo de 2010. Passados três anos, o agora técnico do Flamengo diz ser grato por ter visto o atacante de perto. Ele só lamentou não ter carimbado o passaporte do atleta para o Barcelona com uma derrota.

Leia mais: Na despedida de Neymar, Santos e Flamengo não saem do zero em Brasília

"Tivemos chances. Talvez tenha faltado tranquilidade. O Carlos Eduardo poderia ter ajeitado para a perna boa. O Hernane foi solidário, rolou para o Gabriel... Mas a equipe teve oportunidades", comentou, insatisfeito com o empate por 0 a 0 com o Santos.

Assim, acabou sem gols a trajetória no futebol brasileiro da esperança da Seleção. Para Jorginho, fará bem a Neymar uma temporada completa no futebol europeu antes do próximo Mundial. Desta vez, o jogador inquieto nos penteados não será excluído da lista verde-amarela.

"É um momento de gratidão para todos os brasileiros. A gente teve o prazer de ter o Neymar aqui por todo esse tempo, desfrutar de suas jogadas fantásticas. Mas acho que foi uma decisão acertada, teremos um Neymar muito mais preparado para a Copa com um ano de experiência na Europa", comentou.

Jorginho também considerou apropriado o palco em que o atacante se despediu de seu país, no novo Mané Garrincha, estádio reconstruído em Brasília para a Copa de 2014. "É maravilhoso, meio que um alçapão. Só faltou água quente. Tomei banho frio", sorriu o técnico flamenguista.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.