Em Itu, Palmeiras começa com vitória magra sua trajetória na Série B

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Mesmo sem encantar, a equipe do Palestra Itália fez o suficiente para vencer o Atlético-GO por 1 a 0 neste sábado

Wagner Carmo/VIPCOMM
Leandro domina a bola na estreia do Palmeiras

A torcida não compareceu como se esperava, provavelmente por conta dos ingressos que custavam R$ 60 ou R$ 200, mas o estádio Novelli Junior, em Itu, sediou uma estreia eficiente do Palmeiras na Série B do Campeonato Brasileiro. Mesmo sem encantar, o time fez o suficiente para vencer o Atlético-GO por 1 a 0 neste sábado.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

O autor do gol que garantiu os primeiros três pontos na caminhada alviverde para tentar voltar à elite nacional foi Tiago Real. Aos sete minutos do segundo tempo, o meia aproveitou cruzamento preciso de Ayrton para balançar as redes. E foi uma das poucas reais oportunidades que a equipe criou.

Mal em boa parte do primeiro tempo, o time de Gilson Kleina se encontrou em campo pouco antes do intervalo e se consolidou com o gol de Tiago Real. Teve um gol de Ayrton anulado e ainda acertou a trave em arremate de Maikon Leite. Como o Atlético-GO não fez mais do que um chute em que Bruno salvou o Verdão, o desempenho foi suficiente para o triunfo.

O Palmeiras volta a campo na terça-feira, quando visita o ASA, em Arapiraca (AL), em partida marcada para as 21h50 (de Brasília). No mesmo dia e horário, o Dragão do Centro-Oeste busca sua recuperação no Serra Dourada diante do Joinville.

O jogo

Gilson Kleina optou por trocar a marcação que caracterizou o Palmeiras no Campeonato Paulista e na Libertadores por um 4-3-3 ofensivo, na tentativa de mostrar de vez a teórica superioridade da equipe sobre seus adversários. Mas o esquema demorou a encaixar e trouxe mais problemas no início.

Vinicius, Leandro e Kleber ficavam isolados do resto do time na frente, mesmo com Leandero se movimentando intensamente. Tiago Real parecia incapaz de carregar a bola da defesa para o ataque, que só tinha alguma ação quando os laterais Ayrton e Juninho apareciam na frente. Muito pouco para qualquer imposição.

O Atlético-GO rapidamente percebeu que estava melhor posicionado taticamente e não demorou para tocar a bola no campo adversário. Em 15 minutos, já tinha levado perigo em arrancadas de João Paulo e Robston em meio à marcação pouco intensa do Verdão, que só tinha dado trabalho em cruzamento de Juninho que Kleber desviou mal.

Para se encontrar em campo, a equipe de Gilson Kleina obedeceu à maior filosofia do técnico: adiantou a marcação para abafar a saída de bola rival. Preenchendo principalmente as laterais da defesa adversária, o Palmeiras dominou os espaços, mas ainda faltava qualidade para uma troca de passes que gerasse perigo.

Wagner Carmo/VIPCOMM
Lance da partida entre Palmeiras e Atlético-GO

Com mais companheiros, Vinicius apareceu mais e o Verdão descobriu que a ponta esquerda era um caminho melhor do que as subidas mais frequentes de Ayrton pelo outro lado. Por ali, o time criou sua principal oportunidade de perigo antes do intervalo, aos 38 minutos, quando Kleber obrigou Márcio a fazer grande defesa e Leandro, no rebote, fez o goleiro trabalhar novamente.

Na volta do intervalo, os problemas na marcação palmeirense quase foram fatais. Logo aos dois minutos, William Barbio deixou Vinicius no chão e tocou para João Paulo, que, mesmo entre três marcadores, devolveu para o atacante, que venceu Mauricio Ramos na corrida e só não abriu o placar porque Bruno fechou bem os espaços e defendeu com o pé esquerdo.

O Palmeiras, entretanto, foi mais eficiente na frente. Em uma rara oportunidade em que teve espaço para cruzar na ponta direita, aos sete minutos, Ayrton deixou a bola na cabeça de Tiago Real, que testou firme na entrada da pequena área para marcar o primeiro gol da equipe em sua caminhada para voltar à primeira divisão nacional.

Em desvantagem, o Atlético-GO tentou se impor mais na raça do que na técnica, deixando espaços para sofrer contra-ataques. As contusões de Maurício Ramos e Vinicius facilitaram o trabalho de Gilson Kleina em arrumar a equipe para usar mais essa alternativa, colocando o zagueiro André Luiz para coibir o jogo aéreo adversário e o meia Ronny, mais descansado, para usar sua velocidade.

O posicionamento manteve Kleber como um centroavante inútil em campo, mas fez Leandro aparecer com mais frequência. Aos 15 minutos, ao receber lançamento preciso de Ayrton do campo de defesa, o artilheiro do Verdão na temporada só não deixou sua marca porque o goleiro Márcio apareceu bem, assim como em outras tentativas de passe longo para o jovem atacante.

De tanto aparecer na frente, o Palmeiras até balançou as redes novamente, aos 30 minutos, mas a falta cobrada por Ayrton que balançou as redes era um lance de dois toques, e nenhum jogador desviou a bola. Aos 33, Maikon Leite, substituto de Leandro, ainda acertou a trave. O 1 a 0, porém, foi um resultado eficiente para o time estrear bem na Série B.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 1 X 0 ATLÉTICO-GO

Local: Estádio Novelli Júnior, em Itu (SP)
Data: 25 de maio de 2013, sábado
Público: 4.612 pagantes
Horário: 16h20 (de Brasília)
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)
Assistentes: Bruno Boschilia e Ivan Carlos Bohn (ambos do PR)
Cartões amarelos: Henrique e Ronny (Palmeiras); João Paulo e Ernandes (Atlético-GO)

Gol:
PALMEIRAS: Tiago Real, aos sete minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Bruno; Ayrton, Henrique, Maurício Ramos (André Luiz) e Juninho; Márcio Araújo, Charles e Tiago Real; Leandro (Maikon Leite), Vinicius (Ronny) e Kleber
Técnico: Gilson Kleina

ATLÉTICO-GO: Márcio; John Lennon (Caio), Ednei, Diego Giaretta e Leonardo; Dodó, Ernandes, Robston (Pituca) e João Paulo; William Barbio (Juninho) e Ricardo Jesus
Técnico: Waldemar Lemos

Leia tudo sobre: palmeirasatlético-gosérie b 2013

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas