Sem calendério competitivo, equipes que disputaram Campeonato Paulista promovem desmanches em seus elencos com meta de se manterem financeiramente pelo resto do ano

Caramelo e Roni, dupla de sucesso no Mogi Mirim, foram apresentados pelo São Paulo
Reprodução/Site oficial do São Paulo
Caramelo e Roni, dupla de sucesso no Mogi Mirim, foram apresentados pelo São Paulo

Comemorado pelos clubes grandes, o fim da temporada de campeonatos estaduais é um problema para os pequenos. Isso porque atual formato do calendário nacional mantém muitas equipes paradas. Com poucas possibilidades de receitas, os times promovem verdadeiros desmanches a fim de ajeitarem suas folhas salariais.

Você é a favor do atual formato dos Estaduais? Comente

“Quando acaba o Campeonato Paulista, a gente libera a maioria dos jogadores que terminam os contratos por conta do alto salário. Os que têm contrato e salários altos a gente procura emprestar para voltarem no ano que vem”, explicou Juninho Paulista, diretor de futebol do Ituano.

Após encerrar o Paulistão na 14ª posição, clube terá apenas a modesta Copa Paulista para disputar pelo resto de 2013. O torneio, no entanto, não possui apelo com os torcedores e pouco rende financeiramente para a equipe. A folha salarial, entre 300 mil e 400 mil reais mensais durante o Estadual, cai para menos de 100 mil.

“O dinheiro do Paulista, se você fizer um bom campeonato, nos dá dois meses a mais sem ter que ir atrás de recursos. No nosso caso, como saímos precocemente e ainda tivemos que dispensar jogadores, em junho já estamos buscando dinheiro. Na Copa Paulista vamos com os juniores para dar experiência em competição profissional”, falou Juninho.

Juninho Paulista reduz drasticamente a folha salarial do Ituano no segundo semestre
Fernando Pilatos/Gazeta Press
Juninho Paulista reduz drasticamente a folha salarial do Ituano no segundo semestre

Problema parecido tem o Botafogo-SP. A folha de pagamentos, que girou na casa dos R$ 380 mil, cairá drasticamente. A diferença é que o time de Ribeirão Preto conseguiu uma das vagas paulistas para a Série D do Brasileirão, o que o possibilitará de lançar seu programa de sócio torcedor. Uma tentativa de amenizar o desfalque financeiro do segundo semestre.

“Ficou para nós um calendário de um ano, então finalmente poderemos lançar o programa de sócio torcedor. Antes não tinha sentido. Tivemos uma média de 8 mil torcedores no Paulista e a ideia é tentar fidelizá-lo”, afirmou Gustavo Assed, presidente do Botafogo-SP.

Botafogo-SP conseguiu uma vaga na Série D e terá calendário completo em 2013
Fernando Dantas/Gazeta Press
Botafogo-SP conseguiu uma vaga na Série D e terá calendário completo em 2013

Para o plano dar certo, porém, o acesso à Série C é imprescindível. Isso porque as vagas na quarta divisão são definidas ano a ano, baseado nos desempenhos nos Estaduais. “Se não subir, começa a luta de novo. Esse é o drama dos clubes do interior de São Paulo. Quem vai investir em mim se eu não tiver um Brasileiro para disputar? Preciso subir”, disse Assed.

Melhor equipe do interior nesta edição, o Mogi Mirim ainda não sabe que time usará na estreia da Série C em menos de duas semanas. Apenas sete atletas que participaram da campanha até a semifinal do Paulistão permaneceram do elenco. Revelação do torneio, o técnico Dado Cavalcanti também saiu. Até o momento, 15 reforços chegaram.

Críticas ao calendário nacional
Se para os clubes grandes o calendário estadual, com muitas datas, está errado, na visão dos pequenos o problema está na tabela nacional. Os times do interior de São Paulo criticam a existência de apenas duas vagas para o Estado na Série D.

“Teria que ter outro tipo de critério, principalmente com São Paulo, por ter tantos clubes do interior com potencial de disputar campeonatos nacionais. Isso nos prejudica bastante. Eu estou tentando jogar a Série D e não estou conseguindo. Você só tem a oportunidade se for bem no Campeonato Paulista. E essa oportunidade na realidade é pouca”, lamentou Juninho.

“O modelo ser por números frios e não por peso do Estado faz como que seja limado o número de clubes paulistas”, concordou Assed.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.