Punido pelo STJD, clube mandará na cidade também seus compromissos diante de América-MG (1º de junho), Avaí (4 de junho) e Oeste de Itápolis (6 de julho)

Gilson Kleina, técnico do Palmeiras
Divulgação/Palmeiras
Gilson Kleina, técnico do Palmeiras

Em meio à luta para evitar o rebaixamento no Brasileiro do ano passado e antes da estreia na Libertadores desta temporada, o Palmeiras passou longos períodos concentrados em um spa de Itu. Mas para o início na Série B do Brasileiro, quando a cidade será a casa da equipe, o elenco ficará menos tempo no local.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Na programação divulgada pelo clube, os jogadores treinarão no estádio Novelli Junior, sede do jogo de sábado contra o Atlético-GO, apenas na quinta-feira, e com portões fechados para a imprensa. Na sexta-feira, véspera da estreia do time na segunda divisão nacional, o treinamento também ocorrerá no estádio, mas com a presença de jornalistas.

Caso nenhum problema seja constatado, a programação deve ser mantida ao longo dos jogos do Palmeiras na Série B em Itu. Punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), o clube mandará na cidade também seus compromissos diante de América-MG (1º de junho), Avaí (4 de junho) e Oeste de Itápolis (6 de julho), voltando a ser mandante no Pacaembu só em 12 de julho, contra o ABC.

Até quarta-feira desta semana, as atividades ocorrerão na Academia de Futebol. E evitando o desgaste dos atletas, embora a última partida do Palmeiras tenha sido na terça-feira passada. Nos 11 dias sem compromissos, a ideia é trabalhar sem cansar os jogadores, e assim será nesta semana, só com treino em turno único - a exceção será na terça-feira, que terá atividades de manhã e à tarde.

Para o duelo do fim de semana, Gilson Kleina ainda espera por reforços do departamento médico, mas o único com reais chances de atuar é o meia Patrick Vieira, que acabou de retomar trabalhos com bola após ficar em tratamento de pancada na coxa esquerda desde 3 de abril. E outra novidade certa é o atacante Leandro, que atuou pela última vez no dia 27, diante do Santos, pelo Paulista, porque não podia jogar na Libertadores.

Entre os machucados, o meia Valdivia, que não joga por conta de dores na coxa esquerda desde 14 de março, terá um diagnóstico mais preciso de sua volta só nesta segunda-feira, mas ainda não treina com bola, assim como o goleiro Fernando Prass, que machucou o ombro esquerdo, e o zagueiro Vilson, que passou por artroscopia no joelho esquerdo. O volante Léo Gago, que teve o tornozelo direito operado há menos de duas semanas, jogará de novo apenas no segundo semestre.

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.