"Não gosta de apanhar, mas gosta de bater", diz Paulo André sobre Neymar

Por iG São Paulo * |

compartilhe

Tamanho do texto

Zagueiro se estranhou com atacante durante o empate na Vila Belmiro que deu o título paulista ao Corinthians e diz que santista foi neutralizado

De saída iminente para a Europa, Neymar tinha no Campeonato Paulista a oportunidade de se despedir com título. Frustrado pelo Corinthians, o atacante se estranhou durante todo o jogo com o zagueiro corintiano Paulo André, que desta vez acabou rindo por último. Com o empate em 1 a 1, o clube do Parque São Jorge saiu da Vila Belmiro com o seu 27º título estadual.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Temos o time mais compacto do Brasil. Ele tem dificuldade quando encontra esse estilo de jogo. Por isso, conseguimos neutralizá-lo", afirmou o beque, que já havia deixado clara a animosidade com o rival no intervalo. "Ele está deixando o pé. Não gosta de apanhar, mas gosta de bater."

Jogadores do Corinthians levantam a taça após a conquista do Campeonato Paulista, diante do Santos. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressTite comemora a conquista do Paulistão, ao lado do volante Paulinho e do zagueiro Paulo André. Foto: REUTERS/Paulo WhitakerDanilo comemora com Paulinho o gol de empate do Corinthians diante do Santos. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressGil disputa a bola com Neymar, durante a final deste domingo, na Vila Belmiro. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressO zagueiro corintiano Paulo André e o atacante santista André disputam a bvola na Vila Belmiro. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressEmerson sofre com a marcação da defesa do Santos durante a final do Paulistão. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressNeymar cumprimenta Cícero, após a marcação do gol do Santos diante do Corinthians, na Vila Belmiro. Foto: Mauro Horita /Gazeta PressNeymar tenta escapar da marcação de Paulinho durante o primeiro tempo da final do Paulistão. Foto: Wander Roberto/Inovafoto/Gazeta PressConfusão entre policiais e torcida no Santos antes da final do Paulistão à frente da Vila Belmiro. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressTorcedor do Santos exibe o rosto ensanguentado após a confusão com os policiais, na frente da Vila Belmiro. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressTorcedores do Santos saúdam a chegada do ônibus da equipe na Vila Belmiro. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressTorcedores do Santos fazem festa em frente à Vila Belmiro, antes da final diante do Corinthians. Foto: Mario Angelo/Gazeta PressTorcida do Santos faz festa antes do início do jogo decisivo do Campeonato Paulista, contra o Corinthians. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressTorcedora do Santos exibe a filha com a camisa do clube, antes do início da final do Paulistão. Foto: RENATO SILVESTRE/Gazeta PressO presidente da CBF, José Maria Marin, e Marco Polo Del Nero, presidente da FPF, chegam à Vila Belmiro para acompanhar a final. Foto: RENATO SILVESTRE/Gazeta Press

"Neutralizar" não é um verbo preciso. Se não chegou a ser espetacular, Neymar fez grandes jogadas, deu dois passes precisos desperdiçados por Felipe Anderson e cavou a falta que resultou no gol do Santos. Mas, de fato, a movimentação do craque foi pouco para superar uma equipe superior à sua.

"A estratégia era dobrar a marcação, mas não tinha nenhum atleta especial destacado para fazer essa marcação. Quem estivesse no setor fazia esse trabalho", comentou Emerson, que viu de longe um dos vários bate-bocas entre o atacante do Peixe e Paulo André.

Um deles aconteceu quando o zagueiro apareceu bem na cobertura ao seu ótimo companheiro, Gil. A bola saiu pela linha de fundo, e Neymar ficou com o dedo em riste na direção do rosto do oponente, valorizando um choque que ele próprio provocara. Paulo André fez o mesmo, impondo-se pelo tamanho.

Neymar é muito mais jogador. Mas, neste domingo, em sua possível última partida decisiva pelo Santos, foi Paulo André quem saiu sorrindo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas