Ponte Preta atropela Penapolense e fatura o bicampeonato do Troféu do Interior

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Depois de ficar no 0 a 0 na primeira partida da decisão, time jogou em Campinas e aplicou 4 a 2 para cima da Penapolense para ficar om o título

Helio Suenaga/Gazeta Press
William comemora gol marcado para a Ponte Preta na final do Torneio do Interior

Os torcedores que estavam desconfiados com o futebol da Ponte Preta na reta final do Campeonato Paulista deixaram o Moisés Lucarelli na noite deste sábado felizes por terem errado suas previsões. Depois de empatar no jogo de ida em 0 a 0, a Macaca passou pelo Penapolense com autoridade e faturou o bicampeonato do Troféu do Interior com uma vitória por 4 a 2.

Deixe seu recado e comente com outros leitores

Para não perder a chance de levantar a segunda taça da competição depois de quatro anos, os ponte-pretanos iniciaram a partida em ritmo alucinado e conseguiram abrir o placar nos primeiros minutos em lance de raça do meia-atacante Chiquinho. Para deixar os capeanos em situação ainda pior, o meia Fernando recebeu amarelo e, um minuto depois, acabou expulso.

Leia mais: Ponte Preta apresenta mais dois reforços para Campeonato Brasileiro

Com mais espaço para contra-atacar, a equipe de Campinas voltou a mandar na partida e chegou ao segundo gol graças ao oportunismo do centroavante William. Ainda no primeiro tempo, o camisa 9 cobrou pênalti com tranquilidade e se tornou artilheiro do Campeonato Paulista com 13 gols, um a mais do que Neymar, que encara o Corinthians na decisão deste domingo.

No segundo tempo, a Ponte não diminuiu o ritmo, passou por cima do adversário e chegou ao quarto em golaço de Adrianinho, ídolo da torcida. O CAP ainda descontou com Anderson Carvalho e Guaru, em pênalti polêmico no último lance da partida que fez o meia chegar aos dez gols no Paulisão.

O jogo

A Ponte Preta entrou no gramado do Moisés Lucarelli pressionada para voltar a mostrar o bom futebol da primeira fase do Paulistão, principalmente para garantir o emprego de Guto Ferreira. E o técnico se sentiu aliviado logo aos cinco minutos, quando Chiquinho pegou sobra na área, ganhou do goleiro Marcelo na base da vontade e empurrou para o gol vazio.

Sem se abater com o placar adverso, o Penapolense passou a incomodar o goleiro Edson Bastos. Primeiro em cabeçada perigosa de Gualberto após cruzamento de Guaru e depois em chutes perigosos de Geuvânio. A Macaca respondeu com uma tentativa de Chiquinho para encobrir Marcelo e com uma bola na trave após chute cruzado de Rildo.

Aos 30 minutos, porém, o equilíbrio que comandava a partida acabou. O meia Fernando, que havia acabado de receber um cartão amarelo, cometeu falta por trás e foi expulso. Aproveitando os espaços, o peruano Ramírez lançou Rildo em velocidade e o atacante cruzou na medida para William completar para as redes com um toque sutil.

Ainda no primeiro tempo, William foi empurrado por Gualbero na área e, com ajuda do assistente adicional, o árbitro Leandro Bizzio Marinho assinalou pênalti. Enquanto os capeanos se desesperavam com a arbitragem, William foi para a cobrança, mostrou categoria e passou Neymar na artilharia do Paulistão com 13 gols.

O centroavante foi para os vestiários prometendo não deixar de procurar os gols e a equipe colocou a estratégia em prática no segundo tempo. Em cinco minutos, a Macaca perdeu duas grandes chances com Chiquinho, em chute cruzado, e Cleber, em cabeçada firme.

Na reta final da partida, Guto Ferreira resolveu lançar Adrianinho no time titular. O meia marcou época na Ponte Preta no início do século e entrou para o delírio da torcida. No primeiro toque na bola, o armador soltou uma bomba no ângulo e fez um golaço para transformar a vitória em goleada.

Enquanto os torcedores ponte-pretanos aplaudiam Rildo, que foi substituído por Alemão, o Penapolense conseguiu descontar no placar. Magrão foi lançado na linha de fundo, cruzou para trás e o volante Anderson Carvalho apareceu como elemento surpresa para marcar.

Antes do apito final, o zagueiro Ferron entrou na vaga de Diego Sacoman, como forma de reconhecimento pelo desempenho da defesa campineira no Campeonato Paulista. Em pênalti polêmico, o camisa 10 Guaru ainda fez o segundo do CAP, mas a festa no Moisés Lucarelli foi toda alvinegra pela conquista do bicampeonato do Troféu do Interior.

FICHA TÉCNICA
PONTE PRETA 4 X 2 PENAPOLENSE

Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)
Data: 18 de maio de 2013, sábado
Horário: 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Assistentes: Carlos Augusto Nogueira Junior e Miguel Cataneo Ribeiro Da Costa
Cartões amarelos: Rildo (Ponte Preta); Perez, Neto, Fernando, Guaru e Geuvânio (Penapolense)
Cartão vermelho: Fernando (Penapolense)

Gols:
PONTE PRETA: Chiquinho, aos cinco, e William, aos 38 e 43 minutos do primeiro tempo; Adrianinho, aos 29 minutos do segundo tempo
PENAPOLENSE: Anderson Carvalho, aos 35, e Guaru, de pênali, aos 47 minutos do segundo tempo

PONTE PRETA: Edson Bastos; Cicinho, Cleber, Diego Sacoman (Ferron) e Uendel; Baraka, Alef (Adrianinho), Chiquinho e Ramírez; Rildo (Alemão) e William
Técnico: Guto Ferreira

PENAPOLENSE: Marcelo (Samuel); Luis Felipe, Perez, Gualberto e Alessandro; Anderson Carvalho, Neto (Biro), Fernando e Guaru; Fio (Magrão) e Geuvânio
Técnico: Pintado

Leia tudo sobre: troféu do interiorponte pretapenapolense

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas