Tite acha que dirigente da FPF agiu errado com árbitro afastado

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Rodrigo Braghetto foi substituído por Guilherme Ceretta, que gera preocupação em técnico do Corinthians para a final do Paulistão

Fernando Dantas/Gazeta Press
Rodrigo Braghetto anunciou a sua aposentadoria como árbitro

A atuação polêmica de Carlos Amarilla na eliminação do Corinthians na Copa Libertadores ficou para trás. É a arbitragem da final do Campeonato Paulista, contra o Santos, a nova preocupação alvinegra, pois a escalação de Guilherme Ceretta de Lima foi bastante controversa.

Comente esta notícia com outros torcedores

Rodrigo Braghetto chegou a ser sorteado, mas a Federação Paulista resolveu mudar o responsável pelo apito porque a empresa do juiz presta serviço ao Timão. Tite, que fez elogios ao modo como Marcos Marinho, da Federação Paulista de Futebol, vem conduzindo a arbitragem em São Paulo, reprovou sua atitude no episódio.

Leia mais: Após ser afastado da final do Paulista, árbitro anuncia aposentadoria

"É o coronel Marinho que escala? Coronel Marinho, pensa antes de fazer, cara, pensa antes de fazer. Errou quem antecipou a escalação. O coronel Marinho errou nesse caso. Já dei um abraço nele dizendo que está fazendo um grande trabalho, reciclando, procurando melhorar, sendo aberto. Mas, nesse caso específico, para mim, ele errou", comentou o treinador.

"Se foi esse o motivo, não deveria ter colocado. Pô, deixou o cara em um tremendo... Imagina, ele estava se preparando para a final. E agora?", acrescentou o gaúcho, que bateu várias vezes na tecla do profissionalismo na arbitragem: "O cara tem que ter outra profissão, uma alternativa. Como vai fazer se não for escalado?".

Leia mais: Guilherme Ceretta de Lima é sorteado para apitar final Santos x Corinthians

Tite, por fim, disse que Rodrigo Braghetto não era a sua alternativa favorita para o apito na Vila Belmiro. Ele preferia um árbitro mais rodado no confronto decisivo, algo que também não conseguiu com o novo sorteio realizado na FPF. O juiz da decisão, Ceretta, tem apenas 29 anos.

"Sem passar de bonzinho, eu gostaria como técnico que árbitros mais experientes fossem colocados para apitar a final. Se perguntassem para mim se eu queria o Braghetto, eu ia dizer não. Mas não pode colocar e tirar o cara", repetiu o comandante alvinegro.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas