Pressionar sem se expor é o plano do Corinthians para sobreviver

Por iG São Paulo * |

compartilhe

Tamanho do texto

Equipe de Tite precisa vencer o Boca Juniors por dois gols de diferença para avançar às quartas de final da Libertadores

Fernando Dantas/Gazeta Press
Paulo André comemora o segundo gol do Corinthians com Danilo e Paulinho

Houve uma satisfação geral no Corinthians pelo desempenho na vitória por 2 a 1 sobre o Santos. A equipe foi bastante superior ao adversário e criou muitas oportunidades, mas será eliminada da Libertadores na quarta-feira se repetir o placar.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Por isso, além de mostrar uma eficiência maior nas finalizações -- cinco oportunidades claras foram desperdiçadas --, o Timão terá de tomar maiores cuidados defensivos. Como perderam por 1 a 0 na Argentina, os atletas de Tite precisarão fazer ao menos três gols caso tenham a rede balançada.

"Não tem como ter mais erros. Não podemos vacilar, não podemos dar brecha. Sabemos que o gol fora de casa é critério de desempate. Então, é necessário que a gente se concentre e marque muito porque temos qualidade para fazer gol lá na frente", afirmou Paulinho.

Limitar-se a marcar, é claro, não é a receita para um time que está atrás em um mata-mata. O que propõe o volante é uma agressividade com organização, uma busca pelo ataque com a tranquilidade necessária para avançar às quartas de final.

"Temos de tomar a iniciativa; Não é para esperar, não, porque precisamos do resultado. O que não quer dizer que vamos atacar de qualquer jeito, pressionar e ficar expostos. Nunca foi assim. Dá para agredir estando bem posicionados", acrescentou.

Sair atrás é algo a que a equipe não está acostumada, ao menos desde o ano passado. Se foi o time da virada na conquista do Campeonato Brasileiro de 2011, o Corinthians não perdeu nenhuma vez na conquista da última Libertadores, sempre decidindo com certa tranquilidade no Pacaembu.

"É algo diferente. Não tivemos essa coisa de sair atrás, correr atrás do gol, mas o fundamental é a gente ter calma: fazer o primeiro gol e manter um ritmo bom dentro da partida. Não adianta fazer tudo de uma vez. Temos grande chance de conseguir um grande resultado", apostou Paulinho.

*Com Gazeta

Leia tudo sobre: PaulinhoCorinthiansCopa Libertadores 2013

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas