Festa do título do Coritiba tem iluminado, herói e técnico aliviado

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Alex foi o destaque no jogo que garantiu o tetracampeonato paranaense. Marquinhos Santos se redime após críticas

O Coritiba conseguiu confirmar o favoritismo e conquistou o Campeonato Paranaense pela quarta vez consecutiva diante do Atlético Paranaense. A campanha, que culminou nos 3 a 1 da grande final, desta vez teve alguns percalços, como a perda do returno e a pressão sobre o trabalho do técnico Marquinhos Santos, algumas vezes contestado por sua juventude. Agora se sentindo aliviado, o treinador saboreia com um gostinho especial a conquista.

Comente esta notícia com outros torcedores

"Um titulo muito importante, é o primeiro do inicio de um trabalho profissional, é para coroar. Acertamos e erramos, mas o planejamento foi seguido. É diferente, uma sensação única. É muito bom entrar para a história do clube com esse tetracampeonato", comemorou o comandante coritibano, que acredita ter tirado um peso dos ombros para a sequência do trabalho. "Eu tinha essa responsabilidade e, com essa primeira experiência, o ano começa para valer no Coritiba", completou.

Coritiba comemora o tetracampeonato paranaense. Foto: Heuler Andrey/Gazeta PressAlex comemora um de seus gols pelo Coritiba na final do Paranaense, contra o Atlético-PR. Foto: Giuliano Gomes/Gazeta PressJogadores do Atlético-PR comemoram o gol de Hernani (à esquerda) na final do Paranaense, contra o Coritiba. Foto: Giuliano Gomes/Gazeta PressFlavio Caça-Rato chuta para anotar o primeiro gol do Santa Cruz na final do Pernambucano, contra o Sport. Foto: Antonio Carneiro Costa/Gazeta PressJogadores do Vitória comemoram o gol de Max na goleada histórica sobre o Bahia. Foto: Edson Ruiz/Gazeta PressDinei, que fez três gols para o Vitória na final do Baiano, contra o Bahia, disputa bola pelo alto. Foto: Felipe Oliveira/Agif/Gazeta PressJogadores do Atlético-MG comemoram o gol de Diego Tardelli na final do Mineiro, contra o Cruzeiro. Foto: Marcelo Prates/Hoje em Dia/Gazeta PressRonaldinho, do Atlético-MG, leva a mãe Miguelina ao campo do Independência antes da final do Mineiro, com o Cruzeiro. Foto: Kildadre Medeiros/Photopress/Gazeta PressMarcel marca para o Criciúma na final do Catarinense, contra a Chapecoense. Foto: DEZA BERGMAN/Gazeta Press

Acostumado com títulos no Paranaense e presente no tetracampeonato alviverde, Vanderlei assustou o torcedor ao falhar logo no inicio do jogo e ceder um gol ao rival, mas contou com uma grande apresentação dos companheiros para virar o resultado. "É meu hexacampeonato estadual. Estou feliz, tive uma infelicidade, mas a equipe lutou muito, conseguiu a virada e mereceu o título", avaliou.

Mais uma vez o angolano Geraldo brilhou em um Atletiba decisivo e, como na semana passada e em 2010, deixou sua marca com o último gol alviverde. "Sou iluminado. Tenho sempre oportunidade de fazer gols nos clássico e é uma satisfação imensa dar alegria para esse bando de doidos. Temos um treinador que confia no meu trabalho e ainda vou dar mais alegria pela frente", garantiu.

Com a família nos braços, trazida diretamente da arquibancada, o meia Alex, herói da decisão, resumiu o sentimento de conquistar pela primeira vez como profissional um título pelo time do coração, enquanto caminhava emocionado para levantar a taça de campeão e o troféu de artilheiro da competição. "É uma satisfação diferente de qualquer outro título que já ganhei", concluiu.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas