Apesar de maratona na ida, Palmeiras prevê um Tijuana mais descansado

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Equipe mexicana já está eliminada em seu campeonato local e chegará menos desgastada para o duelo das oitavas da Libertadores

Divulgação/Palmeiras
Gilson Kleina lembra que o Tijuana teve 14 dias para se adaptar ao gramado natural

O Tijuana tem chegada prevista a São Paulo na tarde deste domingo, após cerca de 17 horas de viagem desde sua cidade, perto da fronteira entre Estados Unidos e México. Mas os adversários certamente desembarcarão no aeroporto de Cumbica mais preparados do que o Palmeiras para o jogo de ida.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Já eliminados do campeonato local, os mexicanos atuaram pela última vez no dia 3, cumprindo tabela ao golear o Chivas em casa por 4 a 0. Desde então, se adaptou à grama natural que mantém em seu centro de treinamento, diferentemente do campo sintético de seu estádio. E ainda terá mais de 48 horas para se adequar ao fuso horário.

Veja também: Com portões fechados, Palmeiras treina pênaltis visando a Libertadores

O roteiro para o Palmeiras ir ao México foi bem diferente. O time foi eliminado pelo Santos no dia 27 e, como a diretoria optou por não fretar um voo, viajou ao México na noite do dia 28, desembarcando em Tijuana pouco mais de 24 horas antes de entrar em campo no dia 30. E só pôde treinar três vezes em campo sintético, sendo apenas uma delas no piso do estádio Caliente, considerado diferente da grama artificial brasileira usada no Nacional, clube paulista localizado em frente à Academia de Futebol.

Leia também: Apenas agência de viagem tem ingressos para Palmeiras x Tijuana

"Eles tiveram 14 dias para se adaptar a esse gramado e eles têm condição de trabalhar na grama normal", comentou Gilson Kleina, ciente de que seus rivais nas oitavas de final da Libertadores ainda devem treinar no Pacaembu na segunda-feira, como um último trabalho em campo natural.

A maior adaptação ao fuso horário também é uma vantagem. O atacante Vinicius relatou problemas para dormir, acordando durante a noite, dele e de seus colegas antes do 0 a 0 na ida. O período no Brasil e o maior tempo de descanso em São Paulo antes do confronto são um ‘luxo’ perto do que o Verdão passou.

"A viagem pode até atrapalhá-los também, como nos atrapalhou um pouco no jogo, mas de qualquer forma será um jogo superdifícil como foi na ida. É trabalhar forte para sairmos com o resultado positivo", discursou Vinicius.

Para seguir na Libertadores e enfrentar o Atlético-MG nas quartas de final, basta ao Palmeiras uma vitória por qualquer placar no jogo das 22 horas (de Brasília) de terça-feira, no Pacaembu. Um novo 0 a 0, como no México, leva a decisão para os pênaltis, enquanto qualquer empate com gols ou triunfo mexicano classificará o Tijuana.

Leia tudo sobre: palmeirastijuanapacaembucopa libertadores 2013igsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas