Tamanho do texto

Presidente prefere não escolher adversário caso o Palmeiras avance para as quartas de final da Copa Libertadores na próxima terça-feira

Paulo Nobre foi eleito presidente do Palmeiras em janeiro deste ano
Gazeta Press
Paulo Nobre foi eleito presidente do Palmeiras em janeiro deste ano

Eleito presidente do clube em janeiro deste ano, Paulo Nobre está perto de ver o Palmeiras se classificar para as quartas de final da Copa Libertadores. Caso a equipe comandada por Gilson Kleina supere o Tijuana e passe de fase, o adversário na sequência do torneio continental sairá do confronto entre São Paulo e Atlético-MG. Cauteloso, o mandatário pediu atenção contra o time mexicano e preferiu não escolher um dos rivais brasileiros.

Comente esta notícia com outros torcedores

"O São Paulo tem muito mais tradição do que o Atlético-MG na Libertadores, mas a equipe mineira vive um momento mais positivo dentro de campo. O jogo é em Minas Gerais, o Atlético-MG leva uma ligeira vantagem por causa disso", disse Paulo Nobre. "Não podemos escolher adversário. Primeiro temos que focar no Tijuana. Passando dessa fase, o Palmeiras jogará com a mesma seriedade contra quem vier", completou.

No primeiro embate entre São Paulo e Atlético-MG, no Morumbi, o time comandado por Ney Franco abriu o placar logo aos nove minutos, com Jádson, mas acabou tendo o zagueiro Lúcio expulso e sofreu a virada, perdendo por 2 a 1. O segundo jogo será realizado nesta quarta-feira, às 22 horas (de Brasília), no estádio Independência. Em vantagem no confronto, o clube mineiro pode até ser derrotado por 1 a 0.

Leia mais : Marcos renova para ser embaixador do Palmeiras com 'direitos e deveres'

O Palmeiras, por sua vez, empatou por 0 a 0 atuando como visitante e decidirá a vaga no estádio Pacaembu, na próxima terça-feira, às 22 horas (de Brasília). Qualquer vitória dá a classificação ao time alviverde. Já o Tijuana seguirá na competição continental se triunfar ou conseguir qualquer igualdade com gols. Em caso de novo 0 a 0, a decisão será na prorrogação, com possibilidade de pênaltis.

"Fizemos por merecer chegarmos a essa situação. O mérito é 100% desse grupo de jogadores completamente comprometidos. O elenco soube converter as críticas do início da temporada em apoio total a equipe. Teremos um jogo dificílimo na próxima terça-feira, que ninguém se iluda. Os mexicanos sabem jogar bola. Não podemos nem pensar em empatar. Não pode faltar de forma alguma a marca registrada do Palmeiras em 2013, que é o sangue na veia", encerrou.