Tite deixa Buenos Aires mordido e louco para derrubar Carlos Bianchi

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

"É um desafio meu, profissional, (derrubar) uma lenda, que ainda não perdeu", disse o treinador do Corinthians sobre o rival do Boca Juniors

Tite saiu do vestiário do Corinthians em La Bombonera "pilhado", como costuma dizer, e concedeu duas entrevistas após a derrota por 1 a 0 para o Boca Juniors. Tanto no papo com os repórteres brasileiros quanto nas respostas aos jornalistas argentinos, mostrou ferido um orgulho de "campeão mundial".

Emerson diz que não se lembra de jogo decisivo tão ruim do Corinthians

A expressão foi usada mais de uma vez pelo treinador. Ele se irritou quando questionado se os seus atletas sentiram a Bombonera, discordou da superioridade apontada na direção dos donos da casa e gostou menos ainda quando recordaram que Carlos Bianchi nunca foi eliminado por um brasileiro na Copa Libertadores.

Nicolas Blandi comemora após abrir o placar para o Boca Juniors diante do Corinthians na Bombonera. Foto: Eduardo Di Baia/APAtacante corintiano Guerrero tenta passar por marcação do Boca Juniors. Foto: Eduardo Di Baia/APPaulo André, do Corinthians disputa lance com Blandi, do Boca Juniors. Foto: Eduardo Di Baia/APAlessandro tenta o chute na partida das oitavas de final da Libertadores entre Corinthians e Boca Juniors na Bombonera. Foto: Eduardo Di Baia/APPaulinho protege a bola no duelo entre Corinthians e Boca Juniors na Bombonera. Foto: Eduardo Di Baia/APDaniel Torres se antecipa a Elano e domina a bola para o Santa Fé. Foto: Nabor Goulart/APVargas comemora primeiro gol do Grêmio contra o Santa Fé. Foto: Nabor Goulart/APOmar Perez comemora após converter pênalti e empatar para o Santa Fé. Foto: Nabor Goulart/APBarcos sobe para fazer o cabeceio. Foto: Nabor Goulart/APJogadores do Grêmio comemoram gol da vitória sobre o Santa Fé. Foto: Nabor Goulart/AP

"O Bianchi é uma referência. Não estou falando porque sou o último campeão, não vou deixar de considerar a história, mas um dia o Bianchi também não foi campeão mundial. Assim como um dia eu não tinha perdido para um argentino", afirmou o gaúcho, querendo a quebra de mais uma escrita.

Tite vê problemas na criação corintiana, mas vê placar "plenamente reversível"

"É um desafio meu, profissional, (derrubar) uma lenda, que ainda não perdeu. O Boca também não tinha perdido", disse Tite, franzindo a sobrancelha para lembrar que o Corinthians findou uma série de resultados negativos dos brasileiros diante do time azul e amarelo na última decisão da principal competição sul-americana.

Percebendo que o estado de ânimo mais exaltado o levava para longe de seu tom politicamente correto habitual, o comandante do Timão fez um adendo mais próximo de seus padrões. "Não é ironia. É reconhecimento e respeito profissional."

Tite tem duas semanas para transformar essa pilha em trabalho, algo que ele tem feito de maneira excepcional nos últimos anos. Superado na Bombonera por Bianchi - que montou um meio-campo mais veloz do que o esperado pelo rival -, o gaúcho pode no Pacaembu fazer parecer uma recordação distante o tempo áureo do treinador argentino. E dar mais um passo decisivo na construção do próprio nome como um dos grandes técnicos da atualidade.

Leia tudo sobre: TiteCarlos BianchiCorinthiansBoca Juniorsigsplibertadores 2013

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas