Palmeirenses valorizam empate e ressaltam "espírito de Libertadores”

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Com 0 a 0 no México contra o Tijuana, time precisa apenas de vitória simples em casa para avançar às quartas de final

A viagem foi cansativa, o gramado não ajudava, mas o Palmeiras mostrou valentia e segurou o empate sem gols diante do Tijuana, no México, pelas oitavas de final da Libertadores da América. Diante as condições adversas, os jogadores do Verdão saíram satisfeitos com o resultado, já que uma vitória simples em casa garante a equipe na próxima fase da competição continental.

Palmeiras segura 0 a 0 no campo sintético e depende de vitória em casa

“Foi um bom jogo, melhor do que a gente esperava. A equipe conseguiu criar, envolver a equipe deles, mas, no final, tivemos que ficar mais trás. Agora, temos um jogo em casa para ganhar”, destacou o volante Márcio Araújo, responsável pela marcação do Palmeiras à frente dos zagueiros.

Kleber aposta corrida com zagueiro do Tijuana. Foto: Ramiro Fuentes/Inovafoto/Gazeta PressRichard Ruiz lamenta chance desperdiçada pelo Tijuana. Foto: Gregory Bull/APMarcelo Oliveira disputa a bola com jogador do Tijuana. Foto: Gregory Bull/APMaurício Ramos reza antes do início da partida. Foto: Gregory Bull/APKleber faz o toque de cabeça em disputa pela bola com jogador do Tijuana. Foto: Gregory Bull/APWesley mata no peito e domina a bola para o Palmeiras. Foto: Ramiro Fuentes/Inovafoto/Gazeta PressCharles conduz a bola e encara marcação adversária. Foto: Ramiro Fuentes/Inovafoto/Gazeta Press

Acostumado com outros gramados, nos quais se destaca na bola parada, o lateral Ayrton também falou sobre as dificuldades da partida no México, mas não deixou de valorizar o empate. “Sabíamos que ia ser um jogo difícil, que o gramado diferente ia ser uma dificuldade. A equipe foi bem, teve espírito de Libertadores, com vontade, e conseguimos levar o resultado para casa”, ressaltou o jogador.

Depois de iniciar a partida no banco de reservas, Souza entrou no segundo tempo, com a missão da valorizar a posse de bola do Palmeiras, que estava satisfeito com o empate fora de casa. O volante alertou sobre o perigo da bola parada, jogada com a qual o Tijuana ofereceu perigo ao Verdão ao longo dos 90 minutos.

“Jogamos um jogo difícil em um campo que não estamos acostumados. Temos um jogo em casa para tentar a classificação. A gente esperava um time muito bom na bola parada e conseguimos anular isso. Hoje, foi mais na parte tática, na qual o Gilson foi muito feliz em montar o time para suportar a pressão até o fim”, concluiu.

Leia tudo sobre: palmeirastijuanalibertadores 2013marcio araujosouza

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas