Romário celebra renúncia de Havelange e pede "faxina ética" na CBF

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-jogador e atual deputado federal disse que José Maria Marin, presidente da CBF, também deveria deixar o seu cargo

Critico dos principais dirigentes do futebol brasileiro, o ex-jogador e atual deputado federal Romário celebrou a renúncia de João Havelange ao cargo de presidente da honra da Fifa (Federação Internacional de Futebol Associado). Através de publicação em sua página oficial no Facebook, o ex-atleta mostrou estar satisfeito com a notícia divulgada em relatório nesta terça-feira.

Leia mais: João Havelange renuncia à presidência de honra da Fifa

Futura Press
O ex-atacante Romário celebrou a renúncia de Havelange da Fifa

Mandatário máximo da FIfa entre 1974 e 1998, Havelange teve seu nome envolvido em caso de corrupção na venda de direitos da Copa do Mundo. Ao lado do ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, e Nicolás Leóz, então presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol, o dirigente recebeu propina da empresa suíça de marketing esportivo ISL. Ao todo, U$S 22 milhões (aproximadamente R$ 44,1 milhões em valores atuais) foram inseridos em contas relacionadas aos brasileiros entre 1992 e 2000.

Contudo, as acusações aconteceram antes da reformulação do código de ética da entidade realizado em 2012, quando Ricardo Teixeira renunciou aos seus cargos na CBF, no comitê organizador da Copa do Mundo de 2014 e também no comitê executivo da Fifa.

Confira na íntegra o texto publicado por Romário:

Bom dia,

Destaque em todos os jornais do mundo esta manhã, a renúncia do presidente de honra da FIFA, João Havelange, 12 dias antes de a entidade confirmar que ele, Ricardo Teixeira e o paraguaio Nicolás Leoz receberam propina no caso ISL.

Já tinha passado da hora dele ter renunciado. Pessoas que ocupam cargos de destaque e relevância devem dar exemplo. E qual era a imagem que a FIFA passava com um presidente de honra acusado de receber propina?

Tem mais gente que deveria seguir o exemplo do Havelange, como o atual presidente da CBF, José Maria Marin. Será que a CBF também tem um Comitê de Ética? Já está na hora da entidade que comanda o futebol brasileiro fazer uma verdadeira faxina ética.

Leia tudo sobre: fifaromáriojoão havelange

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas