Corinthians muda linha de conduta com Cássio e espera para tê-lo inteiro

Por iG São Paulo * |

compartilhe

Tamanho do texto

Clube admite que volta do goleiro após tratamento de problema no ombro influenciou diretamente nas outras lesões que ele sofreu

Alan Morici / Ag. O Dia
Cássio, goleiro do Corinthians

Cássio voltou das férias após o 2012 histórico que teve preocupado em tratar seu problema crônico no ombro esquerdo. Na visão do Corinthians hoje, sua volta foi apressada, algo que influenciou diretamente nas outras três lesões subsequentes nesta temporada: na coxa, no quadril e no punho esquerdos.

Por isso, desta vez, mudou a atitude do clube, que planeja o retorno do melhor jogador do último Mundial só quando ele estiver em plenas condições. A boa notícia é que esse momento está se aproximando e provavelmente acontecerá nas oitavas de final da Libertadores, contra o Boca Juniors.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

“Falei para o Cássio: ‘Vamos fazer diferente’. Talvez a gente tenha apressado um pouco antes. Ele não fez a preparação física ideal e acabou tendo o problema na coxa batendo tiro de meta. Aí tivemos menos treinos, e talvez ele tenha caído errado no lance contra o Millonarios”, disse Mauri Costa Lima, preparador de goleiros do Corinthians.

A referência é ao lance no qual o camisa 12 sofreu uma fratura parcial no punho esquerdo, há quase 20 dias. É dela que ele se recupera no momento. O jogador será liberado para os treinamentos nesta semana, o que torna até possível sonhar com um retorno já contra a Ponte Preta, pelas quartas de final do Campeonato Paulista.

“Ele está em boa condição na recuperação da fratura. Como essa fratura não foi muito grande, o local já está consolidado. Se ele não sentir nada, vai jogar contra o Boca. É mais difícil contra a Ponte, mas também não dá para descartar, não”, comentou o médico Júlio Stancati.

A preocupação da comissão técnica é dar a Cássio uma boa série de treinamentos antes do retorno. Justamente pela sequência de problemas físicos na temporada, não foi possível trabalhar como se gostaria. E o resultado técnico foi óbvio, com recorrentes falhas do atleta. “Em três meses, foram só duas semanas completas de treino. Muito pouco”, resumiu o preparador Mauri.

*Com Gazeta

Leia tudo sobre: CorinthiansCássioigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas