Brasil e Argentina empatam e Venezuela assume a ponta do Sul-Americano sub 17

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Com resultado, seleção brasileira precisará vencer os últimos jogos e ainda torcer por combinação de resultados para poder levar o título

Brasil e Argentina entraram em campo neste domingo em jogo que valia a liderança do hexagonal final do Sul-americano sub-17, mas o empate sem gols entre as seleções favoreceu outra equipe: a Venezuela, que assumiu a liderança.

Com o ponto conquistado, tanto Brasil quanto Argentina chegaram aos cinco, sendo que a Seleção Brasileira leva desvantagem no saldo de gols e ocupa a terceira colocação, já que a Venezuela tem sete. O Uruguai, com quatro pontos completa o grupo dos quatro times que se classificam para o Mundial da categoria.

O jogo

Os argentinos foram melhores durante a maior parte do jogo, principalmente no primeiro tempo, contando com a força da torcida. Na etapa final, o Brasil conseguiu equilibrar as ações, mas ainda assim viu os hermanos criarem as melhores chances, principalmente nas bolas paradas.

Em uma falha da defesa brasileira, após lançamento do goleiro argentino Batalla lançou, a bola passou por dois zagueiros brasileiros e Ibánez bateu por cobertura, na saída do melhor homem em campo, o goleiro da Seleção Brasileira, Marcos. A bola bateu caprichosamente no travessão e, no rebote, Canete, de cabeça, viu o arqueiro brasileiro operar um milagre.

A dois minutos do fim do jogo, o volante Moreyra ainda foi expulso, nada que pudesse mudar o panorama da partida, ou desequilibrá-la para um dos lados.

Na próxima rodada, a penúltima, o Brasil encara o Peru e a Argentina duela com o Paraguai, enquanto Venezuela e Uruguai completam a rodada. Em caso de vitória dos venezuelanos combinada a derrotas de Brasil e Argentina, a seleção grená pode ficar com o título com uma rodada de antecipação.

Seria uma conquista inédita para os venezuelanos no campeonato que é disputado bienalmente desde 1985 e que tem como maior campeão o Brasil, com 10 títulos, seguido de Argentina, com dois e Colômbia e Bolívia, com uma conquista cada.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas