Ceni exalta sacrifício na vitória e confirma aposentadoria para o fim do ano

Por Pedro Taveira - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Goleiro do São Paulo vibrou bastante ao marcar seu gol na vitória diante do Atlético-MG e celebrou a raça dos jogadores na partida

Rogério Ceni explodiu com o gol de pênalti que ajudou o São Paulo a bater o Atlético-MG por 2 a 0 e carimbar vaga para as oitavas de final da Copa Libertadores da América. Gol que ele revelou ter pressentido ainda durante o intervalo, exatamente em uma penalidade máxima.

Veja fotos do jogo entre São Paulo e Atlético-MG:

Rogério se ajoelha e comemora gol do São Paulo . Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressRogério bate no canto esquerdo de Victor e marca para o São Paulo. Foto: Miguel Schincariol/ Gazeta PressGanso mata bola no peito no jogo entre São Paulo e Atlético-MG. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressRonaldinho Gaúcho tenta escapar da marcação de Lúcio. Foto: Djalma Vassão/Gazeta PressAloísio é derrubado na primeira etapa. Foto: SERGIO BARZAGHI / Gazeta PressDouglas sofre carrinho de Richarlyson no Morumbi. Foto: Miguel Schincariol/ Gazeta PressRonaldinho Gaúcho mata bola no peito no início de jogo. Foto: Miguel Schincariol/ Gazeta Press


A intenção era evitar a eliminação, que faria da partida no Morumbi a última do goleiro pela competição internacional. Com aposentadoria agendada para o final deste ano, o goleiro relembrou a história tricolor ainda no gramado para sonhar alto na sequência do torneio.

Leia mais: São Paulo atende a pedidos por raça, bate Atlético-MG e avança na Libertadores

"Eu pensei nisso o tempo todo (última partida em Libertadores). Passa esse filme na minha cabeça sempre. Será meu último ano e eu não queria ir embora hoje daqui. Esse é o clube da fé e quando se tem fé, se chega onde as pessoas não esperam”

Criticado após as derrotas para Corinthians e Strongest, o capitão saiu de campo como um dos heróis da classificação improvável do Tricolor. Assim como na altitude de La Paz, quando falhou no segundo gol boliviano, jogou no sacrifício. Para piorar, torceu o pé direito e machucou o ombro direito durante a partida contra o Galo.

"Quando se ganha no sacrifício, vale tudo. Quando perde, é fominha. Mas meu torcedor sabe o que é isso. Assumo que o time do Atlético tem mais qualidade, principalmente sem Jadson e Luis Fabiano. Eles podem considerar isso, mas no quesito raça, hoje foi nosso torcedor que lavou a alma", sentenciou o camisa 1, que também apareceu na defesa para tirar chance clara dos pés de Neto Berola já nos minutos finais do jogo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas