Atacante comentou a manifestação da torcida presente em Novo Hamburgo, que no segundo tempo começou a gritar o nome do centroavante boliviano

Titular do Grêmio na partida contra o Novo Hamburgo , neste domingo, pela última rodada da fase de classificação da Taça Farroupilha, segundo turno do Campeonato Gaúcho, o atacante Kleber aproveitou a entrevista no vestiário para opinar sobre a postura de Marcelo Moreno, que vem reclamando da falta de oportunidades na equipe comandada por Vanderlei Luxemburgo.

Confira: Grêmio joga mal e não sai do zero contra o Novo Hamburgo

“Você nunca vai ver minha esposa ou meu pai reclamando no Twitter. Se um dia fizerem isso, vão ter que se resolver comigo. Eu acho que a postura dele foi uma falta de respeito comigo, com o Grêmio e com a torcida. Eu acho que expor as coisas dessa forma nunca é legal”, declarou o Gladiador, lembrando das declarações feitas pelo pai de Marcelo Moreno, Mauro Moreno, no fim de fevereiro.

Kleber foi titular do Grêmio no empate diante do Novo Hamburgo
Flickr oficial do Grêmio
Kleber foi titular do Grêmio no empate diante do Novo Hamburgo

Mauro, pai e agente do jogador, demonstrou todo seu descontentamento com a situação do filho em entrevista à Rádio Bandeirantes. “Quando o Marcelo chegou ao Grêmio, fazia 10 anos que o clube não conseguia nada. Era um 'timinho' quando o Marcelo chegou. É graças a ele [Moreno] que o Luxemburgo, dirigentes e muitos jogadores estão empregados. Colocar o Marcelo na terceira equipe é menosprezo", disse Mauro Moreno à época.

Kleber comentou a manifestação da torcida gremista presente em Novo Hamburgo, que no segundo tempo começou a gritar o nome de Marcelo Moreno. “Essa mesma torcida cobrava o Marcelo Moreno no começo do ano. Eu lembro que os torcedores aplaudiram quando ele foi substituído contra a LDU-EQU (em confronto da pré-Libertadores). Hoje, a mesma torcida que reclamou dele, pede que ele entre”, opinou.

Em tom irônico, Moreno deu uma declaração, na última semana, desafiando os atacantes do Grêmio a chegar à marca de 22 gols, alcançada por ele em 2012. “A gente nem levou isso a sério. Eu fiz quinze gols ano passado e fiquei mais de quatro meses sem jogar. o Barcos fez mais de 20 gols no Palmeiras. A gente reconhece o esforço e o que ele fez aqui. A gente não gostou das declarações, não só por ter cobrado os 22 gols, mas pelo pai dele ter dito que o Grêmio é um 'timinho'”, afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.