Após eliminação precoce, transformação é a palavra de ordem no Flamengo

Por O Dia |

compartilhe

Tamanho do texto

Para o técnico Jorginho, derrota para o Botafogo na semifinal da Taça Guanabara foi determinante para o abatimento do time

André Luiz Mello / Agência O Dia
Jorginho tenta reencontrar bom padrão da equipe

A diferença entre o rendimento do Flamengo sob o comando de Dorival Júnior e as atuações apresentadas desde a chegada de Jorginho é nítida. Com o antigo técnico, o time venceu Vasco, Botafogo e teve a melhor campanha da primeira fase da Taça Guanabara. Na Taça Rio, está fora da disputa sem ter jogado nem um clássico sequer. O novo treinador espera que a eliminação precoce ao menos lhe dê tempo para tentar arrumar a casa e, assim, a diretoria buscar reforços.

Carlos Eduardo espera retorno rápido após deixar jogo do Flamengo com dores

“Estamos vendo claramente nossas necessidades e trabalhando para que a coisa mude. É o que queremos para a Copa do Brasil e o Brasileiro. Precisamos de mudanças radicais, vamos precisar de contratações, é um período de transição, de mudanças”, disse Jorginho que voltou a pedir paciência à torcida.

E mais: Fla deixa vitórias para depois e aposta em austeridade financeira para renascer

“Sei que não é fácil, mas peço aos torcedores que entendam. Fiz cinco jogos em duas semanas. Não tive tempo para nada, nem para saber a condição física dos jogadores. Não temos tempo para treinar. Peguei no meio do caminho. Espero ter tempo para fazer essa transformação no Flamengo, que é muito importante e necessária”, emendou.

O Flamengo enfrenta o Fluminense, domingo, o Remo, dia 17, e o Macaé, dia 21. Depois, só terá compromisso na estreia do Brasileiro, contra o Santos, marcada para 26 de maio. No período, poderá jogar pela Copa do Brasil, dependendo da evolução do time na competição. Jorginho admite a má fase, mas diz que ela chegou ao clube antes dele.

“Preciso lembrar que vínhamos de dois resultados negativos quando assumi. A derrota para o Botafogo, na semifinal (da Taça Guanabara), foi um baque emocional na equipe, a ponto de perder para o Resende. Peguei uma equipe em queda, jogadores abatidos, a gente tem um grupo jovem, não é fácil conseguirem se reerguer”, completou.

Leia tudo sobre: flamengocarioca 2013jorginho

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas