Após demissão de Rosan, Adalberto tenta encerrar polêmica

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

"Com o passar dos tempos, espero que o Rosan perceba que seu próprio comportamento tornou impossível a continuidade do vínculo com o clube", disse o cartola

Na última segunda-feira, o São Paulo anunciou a demissão de Luiz Rosan, que era fisioterapeuta do clube desde 2003 e ajudou inclusive na idealização do Reffis, centro de excelência em recuperação de atletas enaltecido por toda a cúpula tricolor. A decisão de dispensar o profissional, no entanto, surpreendeu a torcida e fez com que o diretor de futebol Adalberto Baptista tivesse a necessidade de explicar mais uma vez a saída do profissional.

Veja mais: Dirigente se afasta de crise do São Paulo e viaja para correr na Europa

Vipcomm
Adalberto Baptista: São Paulo em ebulição

Enquanto Rosan está com a delegação da Seleção Brasileira na Bolívia, palco do amistoso entre as duas equipes nacionais, Adalberto está em Portugal, onde compete na Porsche Cup, um de seus divertimentos preferidos. Por meio do site oficial do São Paulo, além de explicar os motivos de sua ausência na partida da última quinta-feira, contra o Strongest, o dirigente relembrou a polêmica demissão do fisioterapeuta.

Leia também: Cartola ausente do São Paulo se defende e diz que busca amistosos

"Criou-se muita polêmica sobre a demissão do Rosan. Foi um enorme desgaste nos últimos dias. Nesse primeiro momento, o Rosan atribui a mim sua demissão. É natural. Fui eu que tomei a decisão, eu que comuniquei. Mas, com o passar dos tempos, espero que o Rosan perceba que seu próprio comportamento tornou impossível a continuidade do vínculo com o clube. Ele foi usado por pessoas que têm pretensões políticas no clube", disparou Adalberto Baptista.

No início da semana, o mesmo dirigente havia atribuído a demissão de Luiz Rosan ao abuso de privilégios por parte do ex-funcionário, que não estaria acompanhando a delegação ao estádio em dias de jogos e, mesmo assim, solicitando ingressos que seriam dados a outras pessoas. Após uma advertência verbal, segundo Adalberto, o fisioterapeuta "usou de truculência" para reagir.

Superintendente do São Paulo entre 2002 e 2008, Marco Aurélio Cunha também participou do processo de reformulação do Reffis ao contratar, entre outros profissionais, Luiz Rosan. "O Rosan foi demitido de uma forma abrupta. Não tiro o mérito, mas o momento em que ele foi demitido não foi correto, nas vésperas de um clássico contra o Corinthians e um jogo importante de Libertadores", disse, à Fox Sports.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas