Depois de abrir 2 a 0 antes do intervalo, time falha na defesa e não engrena nas mãos de Luiz Felipe Scolari. Brasil não vence uma seleção campeã mundial desde 2009

Balotelli comemora belo gol contra o Brasil
DENIS BALIBOUSE/Reuters/Newscom
Balotelli comemora belo gol contra o Brasil

A seleção brasileira não conseguiu interromper o incômodo jejum de vitórias contra grandes rivais que persiste desde 2009. Contra a Itália, após primeiro tempo promissor, a equipe de Luiz Felipe Scolari cedeu o empate por 2 a 2 depois de abrir vantagem por 2 a 0 antes do intervalo em Genebra, na Suíça. 

Deixe seu comentário para este jogo. Você gostou do desempenho da seleção brasileira?

O Brasil não vence uma seleção campeã mundial desde 2009. Foram seis jogos desde então contra Argentina, França, Alemanha e Inglaterra sem nenhum triunfo. A Holanda, três vezes vice-campeã do mundo, também enfrentou o Brasil e não foi derrotada. A Itália entrou neste hall, mas também mantém um jejum de vitórias contra o Brasil, já que desde 1982, na fatídica "Batalha do Sarriá", não triunfa contra a seleção brasileira. 

O Brasil tem agora um compromisso contra a Rússia, segunda feira, em Londres. Felipão tentará sua primeira vitória depois no seu retorno depois de um empate e uma derrota (para a Inglaterra).

Contra a Itália, a seleção desenvolveu um bom jogo no primeiro tempo, contou com boas participações de Neymar, Oscar e Fred (os dois últimos autores do gols brasileiros), mas pecou na defesa. De Rossi e Balotelli marcaram para a Itália. 

Fred, aos 32 minutos, fez seu segundo gol no ano pela seleção. Felipão, que o havia deixado no banco contra a Inglaterra, no início de fevereiro, nem mesmo convocou Luís Fabiano, titular naquele jogo . Deu a Fred a camisa 9 e o deixou sem a sombra do são-paulino, dono dessa camisa na última Copa do Mundo. E foi assim que o artilheiro do Fluminense confirmou a ótima fase que vive com a camisa amarela.

O gol nasceu de cruzamento de Filipe Luís, titular da lateral-esquerda e que ganhou chance de mostrar serviço. Foi bem na tarefa e Marcelo viu do banco uma concorrência surgir para a posição. Na lateral-direita, sem sombra nenhuma entre reservas, Daniel Alves jogou mal. Foi nas suas costas que nasceram as principais jogadas da Itália.

Fred chuta de direita e abre o placar para o Brasil
Dino Panato/Getty Images
Fred chuta de direita e abre o placar para o Brasil

Apesar do ótimo desempenho ofensivo no primeiro tempo, a defesa formada por Dante e David Luiz teve trabalho para segurar Osvaldo e Balotelli. Julio Cesar precisou trabalhar e fez cinco defesas antes do intervalo. O atacante do Milan foi quem mais arriscou com dois chutes.

O segundo gol do Brasil, nascido em contra-ataque, começou com Neymar ainda no campo de defesa. Ele partiu sem marcação até a entrada da área italiana e deu passe na medida para Oscar ampliar a vantagem brasileira aos 41 minutos de jogo.

O primeiro tempo terminou com 53% da posse de bola e seis finalizações. A Itália teve menos a bola nos pés, chutou a gol nove vezes, mas foram cinco na direção do gol.

Na volta dos vestiários as falhas defensivas que a equipe de Felipão havia apresentado na primeira etapa custaram caro e antes dos 11 minutos a Itália conseguiu o empate. Primeiro com De Rossi, em cobrança de escanteio em que Daniel Alves furou no corte de cabeça. A bola sobrou para o italiano, que tocou com categoria para o gol de Julio Cesar.

Logo depois, em chute de fora da área, Balotelli aproveitou-se de posição adiantada de Julio Cesar para empatar a partida. O goleiro, que apesar do bom jogo, falhou. Ele viria a se redimir em outro lance com Balotelli, que mesmo cara a cara com o gol, parou no goleiro.

A seleção sentiu o baque e rendeu pouco no ataque. Neymar tentou passes, cavou faltas, e mais uma vez teve atuação abaixo do esperado contra uma grande seleção. Fred, que deixou o campo para a entrada de Diego Costa aos 23 minutos, pouco fez no segundo tempo. O substituto, idem.

Quem ficou em campo sem mostrar serviço foi Hulk. Em lance patético, perdeu chance clara após passe de Neymar. “Driblou” a bola e desperdiçou a melhor chance do segundo tempo. Ele deixou o campo só aos 39, para dar lugar ao volante Jean. Felipão estava satisfeito com o empate.

Azar teve Kaká, que quando entrou aos 16 no lugar de Oscar, teve apenas sete minutos para jogar com um centroavante já que Fred seria substituído logo depois. Com as mudanças o Brasil perdeu o ainda parco entrosamento que havia demonstrado no primeiro e nada criou. O jogo se arrastou até o fim o jejum de vitórias da seleção brasileira contra grandes rivais persistiu.

FICHA TÉCNICA -  BRASIL 2 x 2 ITÁLIA

Local: Estádio de Genebra, em Genebra (Suíça)
Data: 21 de março de 2013, quarta-feira
Horário: 16h30 (de Brasília)
Árbitro: Stephan Studer (Suíça)
Assistentes: Sandro Pozzi e Jean-Yves Wicht (ambos da Suíça)
Cartões amarelos: Fred, Hernanes e Filipe Luís (Brasil); Maggio e Poli (Itália)
Gols: BRASIL: Fred, aos 32, e Oscar, aos 41 minutos do primeiro tempo; ITÁLIA: De Rossi, aos 8, e Balotelli, aos 12 minutos do segundo tempo

BRASIL: Júlio César; Daniel Alves, Dante, David Luiz e Filipe Luís (Marcelo); Fernando, Hernanes (Luiz Gustavo) e Oscar (Kaká); Hulk (Jean), Fred (Diego Costa) e Neymar
Técnico: Luiz Felipe Scolari

ITÁLIA: Buffon; Maggio, Barzagli, Bonucci e De Sciglio (Antonelli); De Rossi (Diamanti), Pirlo (Cerci), Giaccherini (Poli) e Montolivo; Balotelli (Gilardino) e Osvaldo (El Shaarawy)
Técnico: Cesare Prandelli

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.