Ceni orienta o São Paulo a usar o Paulista para readquirir confiança

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Para capitão, melhor seria enfrentar logo o boliviano The Strongest, em jogo decisivo para as pretensões do São Paulo na Copa Libertadores

Marcelo Ferrelli/ Gazeta Press
Rogério Ceni gostaria que partida contra o The Strongest fosse mais próxima

O goleiro Rogério Ceni não queria disputar quatro partidas do Campeonato Paulista (contra São Bernardo, Bragantino, Paulista e Corinthians) em sequência. Para o capitão, o melhor seria enfrentar logo o boliviano The Strongest, em jogo decisivo para as pretensões do São Paulo na Copa Libertadores da América - que só será realizado em 4 de abril.

LEIA: São Paulo sofre para vencer o Oeste e retoma a liderança do Paulistão

"Temos mais quatro jogos do Paulista antes, infelizmente. Dia 4 de abril só chega em 4 de abril. Precisamos melhorar para chegar confiantes lá. Por isso, vamos tentar aproveitar essas partidas que temos pela frente. Sem confiança, será mais difícil ganhar do The Strongest", alertou Ceni.

Bastante cobrado pelo mau momento do São Paulo na Libertadores, o técnico Ney Franco não se mostrou tão ansioso assim para o duelo na Bolívia. "Seria ideal que fosse logo em seguida só por causa da pressão. O tempo que teremos para trabalhar é interessante, pois precisamos fazer ajustes e recuperar atletas", disse.

Rogério sabe que o São Paulo não terá tanta tranquilidade para se reabilitar antes de voltar a se concentrar exclusivamente na Libertadores. Na vitória por 3 a 2 sobre o Oeste, no domingo, no Morumbi, o goleiro já teve uma amostra das cobranças: torcedores vaiaram o time, cobraram raça e contestaram Ney Franco por manter Paulo Henrique Ganso na reserva.

"As coisas continuarão assim até 4 de abril. É natural, pois o nosso time não vem jogando bem", reconheceu Ceni, que já rebaixou o São Paulo à condição de zebra na fase seguinte. "Se nós nos classificarmos, talvez possamos surpreender... Mas, para isso, temos que ir à Bolívia e vencer. Não adianta dizer que são 3.600 metros de altura."

Sobre as críticas da torcida a Ney Franco, Rogério não apoiou nem repreendeu. "Não sou juiz para dizer se isso é justo ou não. O torcedor pagou ingresso, foi ver um jogo na chuva e tem o direito de se manifestar do jeito que quiser. Sabemos que não cabe ao São Paulo Futebol Clube ficar fora em uma primeira fase de Libertadores", disse o capitão.

Leia tudo sobre: São Paulorogério ceni

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas