Palmeiras sofre para marcar com saídas de Barcos e Luan e média cai pela metade

Por Pedro Taveira - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ataque fez 40% dos gols palmeirenses nos seis primeiros jogos do ano. Número caiu para 28% depois das entradas de Vinicius, Leandro e Kleber

Procura-se um atacante que faça gols. Pode parecer exagero, mas esta frase poderia muito bem ser dita hoje por Gilson Kleina, técnico do Palmeiras. Desde as saídas de Barcos e Luan, o clube do Palestra Itália sofre para balançar as redes de seus adversários no Paulistão e na Copa Libertadores.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Gazeta Press
Com a saída de Barcos, aproveitamento do ataque palmeirense caiu

Juntos, Luan e Barcos representaram quase 40% dos gols palmeirenses nas seis primeiras partidas da temporada. Depois que os jogadores foram negociados com Cruzeiro e Grêmio, respectivamente, a contribuição do ataque caiu para 28% fos gols do time. Muito contestado pela torcida palmeirense, Luan marcou duas vezes em três jogos. Já o 'Pirata' fez três em seis compromissos.

Leia mais: Mancha chama Nobre de "covarde" e "iludido" e se nega a retomar relações

Depois que a dupla deixou a equipe, a média de gols caiu quase pela metade, assim como a participação dos homens de frente. Se o Palmeiras começou o ano fazendo 13 gols em seis partidas, anotou apenas sete tentos nos últimos em sete jogos. Pior: apenas dois foram marcados por atacantes, um por Vinícius e outro por Leandro.

“Estamos trabalhando neste fundamento. Os atacantes estão fazendo à parte um trabalho especial para isso. Mas eu também não vou colocar a responsabilidade em cima do setor. Concordo que tivemos chances claras para definir os jogos, mas isso está passando um pouquinho mais como ansiedade do que propriamente não ter feito o trabalho”, analisou Kleina.

Confira ainda: Kleina confia em Kleber e agora vê Wesley como volante, mas no banco

“As características dos meus atacantes são diferentes das dos outros [que saíram], mas eles estão querendo. Se tiver vitória e o gol for daquele que não é do setor de ataque, o importante é o Palmeiras vencer. Todos nós ficamos atentos a isso e intensificamos o trabalho e espero que isso possa se resolver o mais rápido possível”, prosseguiu o técnico.

E é justamente isso que vem acontecendo. O zagueiro Henrique é o artilheiro palmeirense em 2013 com quatro gols. O meia Patrick Vieira tem três.

Porém, a equipe do Palestra Itália ficou em branco em seus últimos três duelos. Na Libertadores, amargou derrotas diante de Libertad e Tigre. Além disso, empatou com o São Paulo pelo Paulistão.

O recém-contratado atacante Kleber disputou duas partidas e meia pelo Palmeiras, mas, ainda sem marcar gols, já pode sentir a pressão sobre seus ombros. Principalmente depois do erro que custou a vitória diante do Tigre na semana passada.

“A gente tem confiança plena no Kleber. Claro que nós conversamos, é minha parte chamar a atenção, conversar numa boa. Se tivesse com mais ritmo, faria aquela jogada numa boa”, disse o treinador.

Kleber terá nova chance de reverter o quadro nesta quinta-feira, quando o Palmeiras encara o Paulista no Pacaembu. Vinicius deve iniciar o confronto como sua dupla de ataque, com Leandro como opção no banco de reservas.

Leia tudo sobre: palmeirasbarcosluanigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas